Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Madeira da Silva, Teresa (2014). Objetivação e Interpretação: Para uma Leitura do Território. In Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa  (Ed.), Para uma Ética do Território. (pp. 51-56). Lisboa: Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa .
Exportar Referência (IEEE)
M. T. Silva,  "Objetivação e Interpretação: Para uma Leitura do Território", in Para uma Ética do Território, Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa , Ed., Lisboa, Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa , 2014, pp. 51-56
Exportar BibTeX
@incollection{silva2014_1653202393234,
	author = "Madeira da Silva, Teresa",
	title = "Objetivação e Interpretação: Para uma Leitura do Território",
	chapter = "",
	booktitle = "Para uma Ética do Território",
	year = "2014",
	volume = "",
	series = "",
	edition = "",
	pages = "51-51",
	publisher = "Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa ",
	address = "Lisboa"
}
Exportar RIS
TY  - CHAP
TI  - Objetivação e Interpretação: Para uma Leitura do Território
T2  - Para uma Ética do Território
AU  - Madeira da Silva, Teresa
PY  - 2014
SP  - 51-56
CY  - Lisboa
AB  - No campo disciplinar da arquitectura as questões sobre as qualidades de um território, de um lugar, ou de uma obra arquitetónica encontram normalmente resposta através da aplicação recorrente a técnicas de análise à semelhança do cientista que isola um objeto para ver como ele é feito. Este modelo, considera o território a partir de objetos em que apenas a forma objetiva que lhe deu origem é determinante, e onde os lugares são estáticos e silenciosos. As hipóteses que se colocam, surgem à luz da filosofia hermenêutica. Uma vez que esta apela à teoria da interpretação e incorpora na interpretação o papel dos diferentes intérpretes, temos como argumento que o território deve ser encarado sob dois pontos de vista distintos: como objeto considerado abstratamente em relação ao contexto em que é produzido (eixo explicativo que trata do lado formal) e, como obra produzida por alguém que está inserido numa determinada comunidade cultural e colocado numa determinada situação histórica (eixo compreensivo que trata do significado). Concluímos que, para além do que se encontra objectivado através das suas características formais, a interpretação do território deverá incorporar outras categorias associadas aos intérpretes e ao tempo de vida desses territórios ganhando uma outra dimensão. 
ER  -