Comunicação em evento científico
«Existe uma idade para aprender?»: Representações sobre a Aprendizagem ao Longo da Vida dos Adultos Pouco Escolarizados que Não Retomaram a Educação Formal.
Vanessa Carvalho da Silva (Carvalho da Silva, V.);
Título Evento
XXVIII Colóquio da AFIRSE Portugal
Ano
2021
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Abstract/Resumo
As sucessivas análises sobre a mudança e a metamorfose das sociedades contemporâneas têm revelado contextos marcados pela celeridade e descontinuidade das transformações estruturais, bem como pelo papel atribuído ao conhecimento, qualificações e às competências enquanto recursos relevantes para a ação (Bell, 1999; Beck, 2016). Analisando a sua distribuição concluiu-se que estes recursos têm tido um impacto crescente e significativo na estrutura destas sociedades, repercutindo os seus efeitos na multiplicidade das suas dimensões: da vida social e política, às estruturas económicas. A centralidade atribuída ao conhecimento e à escolaridade tem contribuído para a emergência de uma sociedade aprendente (Jarvis, 2004), na qual os sujeitos têm sido chamados a adaptarem-se permanentemente através da aprendizagem ao longo da vida (ALV) (Enguita, 2007). Efetivamente, a investigação neste domínio tem permitido conhecer a(s) nova(s) relação(s) que estas sociedades, e os indivíduos, têm estabelecido com o conhecimento e com a ALV, chamando a atenção para o despoletar de novas, e a reprodução de velhas, desigualdades sociais (Ávila, 2007; Costa, 2012, Alves, 2010). Amplamente reportados em estudos nacionais e internacionais, os efeitos para os segmentos da população que ficam de fora das dinâmicas da ALV sublinham os riscos de exclusão social, desemprego, pobreza, vulnerabilidade na saúde, menor participação cívica, etc. Não obstante, Field (2006) dá conta do pouco que se sabe, do ponto de vista sociológico, sobre a população que tem sido deixada para trás, num quadro de generalização da ALV. Inserida no âmbito de um projeto de investigação que integra o doutoramento em sociologia, em torno dos adultos pouco escolarizados que não retomaram a educação formal - cuja abordagem metodológica privilegiou a complementaridade potenciada pela utilização de mixed methods, contribuindo para o seu conhecimento sociológico - esta proposta de comunicação visa apresentar os primeiros resultados da sua componente intensiva. A análise dos vinte relatos de vida já recolhidos, de acordo com os perfis previamente identificados através da componente extensiva desta investigação (Ávila e Silva, 2019) permitiu conhecer as representações sobre a educação inicial [escola] e a aprendizagem, traduzindo-se em formas distintas de relação/ação com a ALV, destes adultos pouco escolarizados que têm ficado à margem da sociedade educativa em Portugal.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
idade para aprender,aprendizagem ao longo da vida,adultos pouco escolarizados,educação formal,relatos de vida