Publicação em atas de evento científico
Trajetórias de desinstitucionalização do parto: A rejeição da hegemonia médica na opção pelo parto em casa
Mário JDS Santos (Santos, M.);
Atas do VIII Congresso Português de Sociologia
Ano
2014
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Abstract/Resumo
A opção por um parto domiciliar nas sociedades contemporâneas coloca desafios à ordem social e põe em causa as práticas instituídas e a autoridade médica. A análise da experiência de quem viveu um parto em casa revelou processos reflexivos de integração da gravidez no self, numa procura de coerência identitária. As tecnologias médicas são um objeto de consumo e existe uma mobilização seletiva de recursos médicos e alternativos, o que põe em evidência diferentes perceções do risco e a perceção de um risco moral. Os riscos médicos e os riscos sociais assumem frequentemente múltiplas configurações e, por vezes, configurações opostas. O consumo de tecnologias médicas é também reflexo da fragilidade dos sistemas periciais, característica da modernização reflexiva, e põem em evidência relações dinâmicas de confiança e de poder entre os profissionais e a mulher grávida. No entanto, o parto continua a ser um evento social e este conjunto de opções não é imune às expectativas médicas e sociais sobre a gravidez. A multiplicidade de experiências descritas revela-se incompatível com os sistemas normalizadores de vigilância e controlo hospitalares e conduz o parto numa nova trajetória: um movimento de desinstitucionalização que, apesar de retirar poder e protagonismo à prática médica, não traduz uma rejeição do modelo biomédico, mas antes uma rejeição do monopólio e da hegemonia de saber e de ação da biomedicina sobre a gravidez e o parto.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Parto em casa; Medicalização; Reflexividade; Coerência identitária; Consumo de tecnologia médica
Registos Associados