Call for papers Conlab2020
Call for papers Conlab2020
Até 31 de Dezembro (2019) está aberta a submissão de resumos (em português) para a apresentação de comunicações subordinadas aos Human-Animal Studies. 

 

Todas as informações podem ser encontradas mais abaixo e no link do Congresso: http://ailpcsh.org/conlab2020/

 

 

*****

 

GT6: Animais não-humanos em contextos de (pós)crise

 

Coordenação: Verónica Policarpo (ICS-ULisboa); Rui Pedro Fonseca (CIES/ISCTE-IUL)

 

Ao longo das últimas décadas, as relações que os humanos desenvolveram com os outros animais ganharam escala na produção científica, dando origem a uma das emergentes áreas de estudos interdisciplinares - os Animal Studies. Questões centrais desta animal turn são, entre outras: o questionamento da naturalização das hierarquias interespécies humano-animal; as práticas, representações, categorizações, atitudes e comportamentos face a aos animais não humanos; a convivência multiespécies e os impactos múltiplos no seu bem-estar; a tensão subjectificação/objectificação dos animais não humanos; a hierarquização e valorização de certas espécies em detrimento de outras; os conflitos inerentes à produção e utilização de animais para benefício humano (e.g. consumo alimentar, experimentação, entretenimento); as questões éticas implicadas nos corolários da ação humana nas demais espécies de animais, no ambi-ente, e na gestão de recursos naturais (i.e. sustentabilidade). As temáticas da crise, do pós-crise, e das dis/utopias que lhes subjazem, têm sido abordadas pelas mais diversas áreas que estudam sistemas e ideologias edificadas, fenómenos sociais e múltiplas experiências humanas (e.g. pobreza, capitalismo, media, globalização, mobilidade geográfica/migratória, racismo, exclusão, entre outras). Recorrentemente, com particular incidência nos países latinos, os animais não-humanos têm vindo a permanecer à margem dessas reflexões. Este contínuo posicionamento dos animais nas sociedades humanas (designadamente pela academia) como “naturalmente” subordinados, objetificados, e em tantos casos como invisíveis, está dependente de mecanismos económicos, políticos, legais, culturais, que tendem a operar conjuntamente para manter o atual (antropocêntrico) status quo. Atendendo a alguns dos objetivos de sustentabilidade que constam na agenda das Nações Unidas - a proteção da vida terrestre (15), proteção da vida marítima (14), ação climática (13) produção e consumo sustentáveis (12), redução das desigualdades (10) erradicação da fome (2) - as relações entre humanos e as demais espécies de animais necessitam de uma condicional reflexão e análise. Neste XIV Congresso Luso-Afro-Brasileiro (CONLAB) sob o lema ""Utopias pós-crise. Artes e saberes em movimento"", convocamos à apresentação de comunicações e artigos que versem sobre as relações humano-animal, à problematização de práticas, atitudes e representações humanas em relação aos animais não-humanos. Apelamos a contribuições de vários quadrantes disciplinares, com destaque para investigações de teor empírico realizadas em países de língua oficial portuguesa, mas não exclusivamente, sobre um, ou vários, dos seguintes temas: - Animais de companhia; - Animais de produção; - Animais de trabalho (agricultura, forças de segurança/policiais, etc.); - Animais e consumos (produtos de origem animal, produtos para animais, etc.); - Animais e entretenimento; - Animais e envelhecimento (dos humanos, dos animais); - Animais e saúde humana; - Animais e/nas catástrofes; - Animais rurais; - Animais urbanos, repensar a “cidade multiespécies”; - Bem-estar animal; - Crianças e animais; - Direitos dos animais, direitos humanos, politização; - Educação ambiental e animais; - Os animais no sistema de ensino; - Experimentação animal; - Famílias e comunidades multiespécies; - Género, espécies e desigualdades; -Animais e mobilidade geográfica; - Guerra, conflitos armados e animais; - Media e representações dos animais; - Metodologias multiespécies; - Produção animal, ambiente e sustentabilidade; - Vida selvagem e conservação das espécies.