Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Dores, A. (2013). A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida. Revista Angolana de Sociologia. 11, 35-50
Exportar Referência (IEEE)
A. P. Dores,  "A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida", in Revista Angolana de Sociologia, no. 11, pp. 35-50, 2013
Exportar BibTeX
@article{dores2013_1571512851553,
	author = "Dores, A.",
	title = "A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida",
	journal = "Revista Angolana de Sociologia",
	year = "2013",
	volume = "",
	number = "11",
	doi = "10.4000/ras.320",
	pages = "35-50",
	url = ""
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - A análise jornalística torna irreconhecível a densidade da vida
T2  - Revista Angolana de Sociologia
IS  - 11
AU  - Dores, A.
PY  - 2013
SP  - 35-50
SN  - 1646-9860
DO  - 10.4000/ras.320
AB  - A secção de crime dos noticiários não só é tradicional no jornalismo moderno como diferencia os jornalismos de referência e popular.
O regime analítico cartesiano preponderante na racionalidade moderna esquadrinha a realidade de forma vertical e horizontal. O crime é colocado em baixo, como se fosse socialmente irrelevante, e do lado popular, como se as classes dominantes lhe fossem alheias.
Os jornalistas cumprem a sua função o melhor que podem; condicionados porém pela especialização das secções e pelos tabus modernos, de que é exemplo o crime. Uma das consequências dessa situação é o tratamento moralista e irrealista da vida, com alheamento das responsabilidades sociais perante as pessoas afectadas pela criminalização, branqueando as responsabilidades dos interesses dominantes no mundo do crime.
Tais constrangimentos estruturais à liberdade de expressão devem ser explicados com recurso à crítica dos efeitos práticos do uso das teorias sociais, também elas limitadas nas suas análises cartesianas.

ER  -