Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Abrantes, P. & Roldão, C. (2014). Faces e metamorfoses do poder: uma sociografia dos ministros de educação no Portugal democrático = Faces and metamorphoses of power: a sociography of the Portuguese ministers of education in the democratic era. Educação e Pesquisa. 40 (4), 1045-1060
Exportar Referência (IEEE)
P. A. Abrantes and C. M. Roldão,  "Faces e metamorfoses do poder: uma sociografia dos ministros de educação no Portugal democrático = Faces and metamorphoses of power: a sociography of the Portuguese ministers of education in the democratic era", in Educação e Pesquisa, vol. 40, no. 4, pp. 1045-1060, 2014
Exportar BibTeX
@article{abrantes2014_1634327242096,
	author = "Abrantes, P. and Roldão, C.",
	title = "Faces e metamorfoses do poder: uma sociografia dos ministros de educação no Portugal democrático = Faces and metamorphoses of power: a sociography of the Portuguese ministers of education in the democratic era",
	journal = "Educação e Pesquisa",
	year = "2014",
	volume = "40",
	number = "4",
	doi = "10.1590/s1517-97022014041384",
	pages = "1045-1060",
	url = "http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/88445"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Faces e metamorfoses do poder: uma sociografia dos ministros de educação no Portugal democrático = Faces and metamorphoses of power: a sociography of the Portuguese ministers of education in the democratic era
T2  - Educação e Pesquisa
VL  - 40
IS  - 4
AU  - Abrantes, P.
AU  - Roldão, C.
PY  - 2014
SP  - 1045-1060
SN  - 1517-9702
DO  - 10.1590/s1517-97022014041384
UR  - http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/88445
AB  - O presente artigo caracteriza o perfil e a trajetória social dos 27 agentes que ocuparam o cargo de ministro da Educação em Portugal, desde a revolução democrática de 1974. Busca-se, com este estudo, contribuir para a análise dos grupos, interesses e ideologias que têm governado o sistema educativo no país, nas últimas décadas. Partimos de um quadro teórico em que se cruzam os estudos a respeito das elites políticas com as pesquisas sobre políticas educativas. Após um debate acerca da volatilidade do cargo, a análise centra-se na compreensão de um padrão observado: a larga maioria dos ministros são homens, nascidos em Lisboa, formados em certas escolas e cursos, com mestrado ou doutorado. Em geral, apresentam-se como independentes, têm carreiras ligadas à docência universitária, à administração pública e, em alguns casos, também à administração de empresas e fundações. É possível, ainda assim, observar mudanças ao longo das últimas décadas, nomeadamente, quanto à área de formação: os historiadores e filósofos do período revolucionário foram substituídos por engenheiros, nos anos 1980 e 1990, e, mais recentemente, por economistas e sociólogos. A formação pós-graduada no estrangeiro, sobretudo na Inglaterra e nos Estados Unidos, também consiste em um recurso importante. Conclui-se que, apesar das mudanças geradas pelos processos democráticos, os ministros da Educação mantiveram um perfil muito específico, buscando conciliar as elites político-econômica e cultural-intelectual, mas mantendo a distinção (e tensão) relativamente ao campo educativo e aos seus agentes, em particular, aos professores do ensino básico e secundário.
ER  -