Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Santos, Filomena (2011). O Uso da Máquina de Lavar Roupa e as Relações de Género no Casal: um estudo de caso . Conferência «Sociologia às Quartas-Feiras», iniciativa do Departamento de Sociologia da UBI, Covilhã, Maio de 2011. 
Exportar Referência (IEEE)
F. M. Santos,  "O Uso da Máquina de Lavar Roupa e as Relações de Género no Casal: um estudo de caso ", in Conferência «Sociologia às Quartas-Feiras», iniciativa do Departamento de Sociologia da UBI, Covilhã, Maio de 2011. , covilhã, 2011
Exportar BibTeX
@misc{santos2011_1568701194457,
	author = "Santos, Filomena",
	title = "O Uso da Máquina de Lavar Roupa e as Relações de Género no Casal: um estudo de caso ",
	year = "2011",
	howpublished = "Outro",
	url = ""
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - O Uso da Máquina de Lavar Roupa e as Relações de Género no Casal: um estudo de caso 
T2  - Conferência «Sociologia às Quartas-Feiras», iniciativa do Departamento de Sociologia da UBI, Covilhã, Maio de 2011. 
AU  - Santos, Filomena
PY  - 2011
CY  - covilhã
AB  - Os resultados da investigação “Sem Cerimónia nem Papéis: um estudo sobre as uniões de facto em Portugal”, que conduziu a uma dissertação de doutoramento, mostram que também na coabitação, tal como no casamento, há perfis muito variados de organização conjugal. 
A resposta à questão da crescente igualdade de género, muitas vezes associada à coabitação, aponta para alguma complexidade. Se não surpreende encontrar papéis de género mais indiferenciados e dinâmicas de interacção mais igualitárias no perfil moderno e de experimentação dos meios mais qualificados, já a relativa igualdade – observada onde menos se espera – na experimentação de um casal em que o elemento masculino tem uma profissão operária, no estilo de noivado dos sectores intermédios, ou mesmo na coabitação instável dos grupos mais desfavorecidos, não pode ser explicada recorrendo unicamente à variável classe social, e, muito menos, ao vínculo informal da conjugalidade. As variações encontradas, até mesmo no interior de sectores sociais idênticos, dependem muito dos percursos e das biografias individuais, e dos «capitais» das mulheres, principalmente quando está em jogo uma posição social superior ou ligeiramente mais favorecida que a do cônjuge. Isto mesmo pretendemos demonstrar através da análise do caso de “Alberto e Maria do Rosário” que inspirou o título da conferência. 
Neste casal, a par de uma maior igualdade de género na repartição das tarefas domésticas e dos cuidados com os filhos, permanece a habitual resistência e “falta de jeito” masculinas quando  se trata das tarefas da roupa (fortemente conotadas com o universo simbólico feminino), e, em particular, do uso da máquina de lavar roupa - atitudes, dificuldades e disposições aparentemente paradoxais perante as tecnologias domésticas num homem que é manobrador de máquinas de profissão !


ER  -