Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Lima, M. J. (2015). Cantar num coro amador: conceitos, perspetivas e balanço preliminar de uma pesquisa em curso. II Colóquio Doutoral Escola de Sociologia e Políticas Públicas / CIES-IUL.
Exportar Referência (IEEE)
M. J. Lima,  "Cantar num coro amador: conceitos, perspetivas e balanço preliminar de uma pesquisa em curso", in II Colóquio Doutoral Escola de Sociologia e Políticas Públicas / CIES-IUL, LIsboa, 2015
Exportar BibTeX
@misc{lima2015_1618835373726,
	author = "Lima, M. J.",
	title = "Cantar num coro amador: conceitos, perspetivas e balanço preliminar de uma pesquisa em curso",
	year = "2015",
	howpublished = "Outro",
	url = ""
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Cantar num coro amador: conceitos, perspetivas e balanço preliminar de uma pesquisa em curso
T2  - II Colóquio Doutoral Escola de Sociologia e Políticas Públicas / CIES-IUL
AU  - Lima, M. J.
PY  - 2015
CY  - LIsboa
AB  - Os estudos sobre práticas culturais expressivas realizadas em contextos não profissionais (Donnat, 1996; Hennion, Maisonneuve, & Gomart, 2000) têm permitido distinguir o sentido de ‘fazer’ ou de ’praticar’ uma atividade amadora em detrimento de outros sentidos que se poderiam evocar quando se discute o conjunto das práticas culturais: como o de ‘ter’, o de ‘fruir’ ou o de ‘assistir’ (Conde, 1996). Esta distinção tem vindo a ganhar relevância com o desenvolvimento de estudos sobre a 'participação cultural ativa' (Vanherwegen, Broek, & Lievens, 2011) valorizando modos ‘ativos’ de participação cultural em detrimento de modos ‘recetivos’.
Enquanto quadro teórico de referência, o conceito de ‘arte média’ proposto por Pierre Bourdieu (Bourdieu, Boltanski, Castel, & Chamboredon, 1965) – ou de ‘arte intermédia’ de acordo com reformulação de Helena Santos (2001) – tem sido âncora para estudos sociológicos sobre a prática coral amadora (Lurton, 2011; Santos, 2001) considerando que esta prática vocal coletiva ocupa um espaço intersticial e uma posição ambígua face à hierarquia tradicional das artes (porque é plural, nem exclusivamente erudita, nem exclusivamente popular) sendo que, ao mesmo tempo, revela processos de apropriação e mediação próprios.
Correspondendo a uma etapa da pesquisa de doutoramento sobre as relações sociais que se estabelecem entre os indivíduos (coralistas) e as instituições no âmbito das quais se realiza a prática coral (os coros), esta comunicação explora o contexto institucional da prática coral amadora em Portugal com o recurso a diferentes tipologias de agrupamentos corais –construídas a partir da análise multivariada dos dados de um inquérito extensivo a 503 coros amadores realizado no âmbito do projeto ’A Música no Meio’: o canto em coro no contexto do orfeonismo (1880-2012) (PTDC/EAT-MMU/117788/2010).
ER  -