Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Dores, A. (2015). A actualização do direito reclama conhecimentos  sobre a sua utilização histórica recente . In Ecos do V Colóquio Jushumanista Internacional. (pp. 63-78).: CEMOrOc/IJI-Universidade do Porto.
Exportar Referência (IEEE)
A. P. Dores,  "A actualização do direito reclama conhecimentos  sobre a sua utilização histórica recente ", in Ecos do V Colóquio Jushumanista Internacional, CEMOrOc/IJI-Universidade do Porto, 2015, pp. 63-78
Exportar BibTeX
@inproceedings{dores2015_1611815298303,
	author = "Dores, A.",
	title = "A actualização do direito reclama conhecimentos  sobre a sua utilização histórica recente ",
	booktitle = "Ecos do V Colóquio Jushumanista Internacional",
	year = "2015",
	editor = "",
	volume = "",
	pages = "63-78",
	publisher = "CEMOrOc/IJI-Universidade do Porto",
	address = "",
	organization = "CEMOrOc/IJI-Universidade do Porto",
	url = "http://hottopos.com/notand41/63-78Dores2.pdf"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - A actualização do direito reclama conhecimentos  sobre a sua utilização histórica recente 
T2  - Ecos do V Colóquio Jushumanista Internacional
AU  - Dores, A.
PY  - 2015
SP  - 63-78
UR  - http://hottopos.com/notand41/63-78Dores2.pdf
AB  - O  direito,  o  direito  democrático,  tem  vindo  a  perder  influência,  dignidade  e  prestígio,  nas últimas  décadas.  Impressiona  o  descartar  dos  direitos  humanos  e  da  democracia,  a  par  da  impotência profissional  e  política  para  denunciar  a  degradação  evidente  do  respeito  dos  princípios  de  direito distintivos da nossa civilização. A soberania popular constituinte, as relações dos direitos entre os povos, os seus representantes e a política, são sempre problemáticas. Mas há épocas, como as que vivemos, onde é preciso voltar a pensar nelas, para as actualizar. A sobrevalorização da normalidade democrática, do fim da história e das ideologias, a par da desvalorização da soberania e da política, da vontade e das opções populares, correspondem à desresponsabilização cívica da prática profissional (colaboradores em  de vez de  trabalhadores)  e  do  ensino  (escolarização  das  massas)  favoráveis  a  vocações  técnico-pragmáticas, tornando  o  ambiente  inabitável  às  vocações  filosófico-doutrinárias.  É  tempo  de  revisitar  as  origens  do programa humanista de tarefas sociais e políticas a que, tacitamente, estamos vinculados, em particular o positivismo  do  século  XIX  e  os  direitos  humanos  da  segunda  metade  do  século  XX,  para  melhor compreender  como  será  possível  contribuir  para  a  necessária  actualização  do  direito  e,  de  facto,  dos 
saberes.
ER  -