Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Saleiro, Sandra Palma (2015). Algumas reflexões metodológicas em torno da auscultação da população transgénero. I Encontro Nacional da Secção Temática de Sexualidade e Género da Associação Portuguesa de Sociologia.
Exportar Referência (IEEE)
S. M. Saleiro,  "Algumas reflexões metodológicas em torno da auscultação da população transgénero", in I Encontro Nacional da Secção Temática de Sexualidade e Género da Associação Portuguesa de Sociologia, Lisboa, 2015
Exportar BibTeX
@misc{saleiro2015_1611582657892,
	author = "Saleiro, Sandra Palma",
	title = "Algumas reflexões metodológicas em torno da auscultação da população transgénero",
	year = "2015",
	howpublished = "Outro",
	url = ""
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Algumas reflexões metodológicas em torno da auscultação da população transgénero
T2  - I Encontro Nacional da Secção Temática de Sexualidade e Género da Associação Portuguesa de Sociologia
AU  - Saleiro, Sandra Palma
PY  - 2015
CY  - Lisboa
AB  - A atenção às pessoas que se situam, de algum modo, fora do sistema binário de sexo/género dominante foi negligenciada na sociologia até praticamente aos anos 1990 (com exceção de Garfinkel, 1967), mas é já sobretudo no presente século que o “transgénero” se estabelece como um objeto de pleno direito da disciplina, saindo das “margens” e ocupando um lugar de destaque nas teorizações não só especificamente sobre o transgénero, mas sobre o género, a sexualidade (Hines, 2010), as identidades, o corpo e até os direitos de cidadania e as políticas públicas.
Também no contexto nacional o “vazio sociológico” acerca do tema, que acompanhava o “vazio social” (Saleiro, 2009) traduzido na invisibilidade social desta temática e desta população, começa a ser preenchido nos anos mais recentes, iniciando-se o processo de constituição de um património acumulado de conhecimento sobre o transgénero remetido à sociedade portuguesa. Torna-se assim pertinente a troca de experiências acerca dos desafios que se colocam à observação (em sentido lato) deste tipo de população em Portugal, dada a imprescindibilidade do recurso à “experiência vivida” (Namaste, 2000; Hines, 2007; Monro 2010) dos sujeitos sobre os quais se pretende constituir conhecimento, consensual entre as “propostas contemporâneas da sociologia” para o estudo do fenómeno. O projeto de investigação “Transexualidade e Transgénero: Identidades e Expressões de Género”, desenvolvido no CIES-IUL entre 2007 e 2010, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, constituiu uma pesquisa pioneira no contexto nacional, também a nível dos processos de recolha de informação no âmbito das ciências sociais tendo como sujeitos empíricos pessoas transexuais e transgénero, e, como tal, afigura-se como um bom ponto de partida para a partilha de experiências e de reflexões a esse nível (tal como discutido mais aprofundadamente em Saleiro, 2013). As suas potencialidades para uma reflexão deste tipo são alargadas pelo desenho da pesquisa contemplar estratégias metodológicas quantitativas e qualitativas.

ER  -