Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Furtado, F. M. de S. F., Saldanha, A. A. W., Moleiro, C. & Silva, J. (2019). Transtornos mentais comuns em mulheres de cidades rurais: prevalência e variáveis correlatas. Saúde e Pesquisa. 12 (1), 129-140
Exportar Referência (IEEE)
M. Furtado et al.,  "Transtornos mentais comuns em mulheres de cidades rurais: prevalência e variáveis correlatas", in Saúde e Pesquisa, vol. 12, no. 1, pp. 129-140, 2019
Exportar BibTeX
@article{furtado2019_1660265042380,
	author = "Furtado, F. M. de S. F. and Saldanha, A. A. W. and Moleiro, C. and Silva, J.",
	title = "Transtornos mentais comuns em mulheres de cidades rurais: prevalência e variáveis correlatas",
	journal = "Saúde e Pesquisa",
	year = "2019",
	volume = "12",
	number = "1",
	doi = "10.17765/2176-9206.2019v12n1p129-140",
	pages = "129-140",
	url = "http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/7017"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Transtornos mentais comuns em mulheres de cidades rurais: prevalência e variáveis correlatas
T2  - Saúde e Pesquisa
VL  - 12
IS  - 1
AU  - Furtado, F. M. de S. F.
AU  - Saldanha, A. A. W.
AU  - Moleiro, C.
AU  - Silva, J.
PY  - 2019
SP  - 129-140
SN  - 1983-1870
DO  - 10.17765/2176-9206.2019v12n1p129-140
UR  - http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/7017
AB  - Analisar a prevalência dos Transtornos Mentais Comuns (TMC) em mulheres residentes em cidades rurais do Estado da Paraíba/Brasil e a associação dos TMC com os aspectos socioeconômicos, vivência de violência doméstica e cuidados em saúde mental. Participaram 608 mulheres entre 18 e 83 anos de idade (43 ± 14,640). Utilizou-se um questionário sociodemográfico e o Self-Reporting Questionnaire-20. Os dados foram analisados através de análises estatísticas descritivas e bivariadas. A prevalência de TMC foi de 31,6%, com maior índice em mulheres acima dos 50 anos, separadas/divorciadas, com baixa escolaridade e renda. As variáveis preditoras para o TMC foram: ser vítima de violência doméstica, vivência de situação estressora; e a inter-relação entre variáveis como ter mais de 50 anos, ter antecedentes familiares com sofrimento psíquico e renda entre um e dois salários mínimos. Elementos socioculturais significativos no que tange à saúde mental ligados às relações de gênero predizem o aparecimento de TMC nesta população.
ER  -