Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Mélice, A. & Marat-Mendes, T. (2018). Formas urbanas contemporâneas O caso das hortas urbanas nos municípios de Cascais e Lisboa. PNUM 2018. A Produção do Território: Formas, Processos, Desígnios.
Exportar Referência (IEEE)
A. M. Dias and T. M. Marat-Mendes,  "Formas urbanas contemporâneas O caso das hortas urbanas nos municípios de Cascais e Lisboa", in PNUM 2018. A Produção do Território: Formas, Processos, Desígnios, Porto, 2018
Exportar BibTeX
@misc{dias2018_1618463176685,
	author = "Mélice, A. and Marat-Mendes, T.",
	title = "Formas urbanas contemporâneas O caso das hortas urbanas nos municípios de Cascais e Lisboa",
	year = "2018",
	howpublished = "Ambos (impresso e digital)",
	url = "https://pnum.arq.up.pt/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Formas urbanas contemporâneas O caso das hortas urbanas nos municípios de Cascais e Lisboa
T2  - PNUM 2018. A Produção do Território: Formas, Processos, Desígnios
AU  - Mélice, A.
AU  - Marat-Mendes, T.
PY  - 2018
CY  - Porto
UR  - https://pnum.arq.up.pt/
AB  - A associação da agricultura urbana a valores ecológicos e sociais contribuiu recentemente para um renovar do debate sobre que novas abordagens deverão os profissionais assumir no âmbito do planeamento destes espaços, em meio urbano. Também a crescente desconfiança social da produção alimentar a grande escala tem reposicionado a atenção para a questão das hortas urbanas. Contudo, apesar da profusão de estudos existentes, é notória a escassez de informação relativa à análise morfológica destes espaços, como também dos impactos deste tema no entendimento do espaço urbano.
O presente trabalho procura colmatar esta problemática, contribuindo com uma análise comparativa de casos de estudo de hortas urbanas identificadas na Região de Lisboa, em Lisboa e Cascais, aferindo eventuais contributos para uma análise crítica e morfológica destes espaços, no sentido de informar futuras propostas de desenho urbano. 
O estudo de tipologias existentes, contribui assim para a identificação das soluções formais mais utilizadas e a preponderância que a questão do Lazer assume na sua definição. Finalmente, conclui-se que as Câmaras Municipais (CM) não estão a tirar partido da flexibilidade formal que a Agricultura Urbana (AU) permite, restringindo o seu uso.

ER  -