Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Malfran, Y. M., Lago, M. & De Oliveira, J. M. (2018). Interseccionalidade e igualdade de gênero em tensão: políticas públicas de saúde em Cuba. Revista Feminismos. 6 (1), 4-19
Exportar Referência (IEEE)
Y. Mestre-Malfran et al.,  "Interseccionalidade e igualdade de gênero em tensão: políticas públicas de saúde em Cuba", in Revista Feminismos, vol. 6, no. 1, pp. 4-19, 2018
Exportar BibTeX
@article{mestre-malfran2018_1660404139293,
	author = "Malfran, Y. M. and Lago, M. and De Oliveira, J. M.",
	title = "Interseccionalidade e igualdade de gênero em tensão: políticas públicas de saúde em Cuba",
	journal = "Revista Feminismos",
	year = "2018",
	volume = "6",
	number = "1",
	pages = "4-19",
	url = "http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/index"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Interseccionalidade e igualdade de gênero em tensão: políticas públicas de saúde em Cuba
T2  - Revista Feminismos
VL  - 6
IS  - 1
AU  - Malfran, Y. M.
AU  - Lago, M.
AU  - De Oliveira, J. M.
PY  - 2018
SP  - 4-19
SN  - 2317-2932
UR  - http://www.feminismos.neim.ufba.br/index.php/revista/index
AB  - Neste trabalho são apresentadas as reflexões que surgem da interlocução entre a teoria da interseccionalidade e duas políticas públicas do Ministério de Saúde cubano: O Programa Nacional Materno-Infantil e o Programa Nacional de Atendimento ao Casal Infértil, com o objetivo de debater as enunciações discursivas acerca da igualdade de gênero que estas políticas públicas constroem. Adotando a perspectiva da interseccionalidade discute-se o quanto os discursos de igualdade, assentes na ideia de universalismo, estabelecem identidades de gênero reificadas e produzem exclusões. Identifica-se como principal desafio das políticas a necessidade de atentar para o modo como o gênero, em suas articulações com outros marcadores sociais, constrói vulnerabilidades interseccionais que precisam ser consideradas nas agendas de políticas que busquem promover a igualdade de gênero.
ER  -