Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Genin, Soraya (2018). Tipologia e construção de abóbadas góticas. In Práticas da arquitetura construções em pedra: argamassas e cantarias. (pp. 11-12). Lisboa
Exportar Referência (IEEE)
S. D. Genin,  "Tipologia e construção de abóbadas góticas", in Práticas da arquitetura construções em pedra: argamassas e cantarias, Lisboa, 2018, pp. 11-12
Exportar BibTeX
@inproceedings{genin2018_1618459717955,
	author = "Genin, Soraya",
	title = "Tipologia e construção de abóbadas góticas",
	booktitle = "Práticas da arquitetura construções em pedra: argamassas e cantarias",
	year = "2018",
	editor = "",
	volume = "",
	number = "",
	series = "",
	pages = "11-12",
	publisher = "",
	address = "Lisboa",
	organization = "ISCTE-IUL/ISTAR-IUL"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Tipologia e construção de abóbadas góticas
T2  - Práticas da arquitetura construções em pedra: argamassas e cantarias
AU  - Genin, Soraya
PY  - 2018
SP  - 11-12
CY  - Lisboa
AB  - Esta comunicação apresenta parte da investigação desenvolvida no âmbito da tese de doutoramento “Voûtes à nervures Manuélines. Le caractère innovant de João de Castilho”, publicada em 2014. A partir da análise de quase 1000 abóbadas europeias, em França, Inglaterra, Europa Central, Espanha e Portugal, provou-se a originalidade das abóbadas da igreja do mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa. Efetuou-se uma base de dados e criou-se um método de classificação de abóbadas góticas. A tipologia das abóbadas varia de um país para outro e as suas formas dependem do método de conceção e de construção utilizado. A partir de levantamentos arquitetónicos, estudou-se a geometria de abóbadas manuelinas, em particular de João de Castilho (c. 1470-1552). Apresentam-se hipóteses de traçado e de  construção das abóbadas, utilizando os métodos de Hernán Ruiz (1500-1569) e de Rodrigo Gil de Hontañón (1500-1577), arquitetos espanhóis contemporâneos. Durante o período gótico, as secções ortogonais ou perspetivadas eram quase inexistentes, embora alguns desenhos se assemelhem. A elevação não resultava de uma projeção vertical a partir da planta, método desenvolvido no início do século XVI sob a influência dos Tratados italianos. As primeiras seções verticais foram usadas para resolver questões construtivas de abóbadas. A análise das abóbadas de João de Castilho revela a conceção prévia da forma, com o objetivo de conseguir a unidade espacial, obtida através de um complexo sistema de nervuras. A multiplicação das nervuras permite substituir os arcos tradicionais por pares de triângulos opostos, conceção em planta. As nervuras compostas permitem modelar a forma em elevação. Veremos através de alguns estudos de caso a relação entre a planta e a elevação. A forma é controlada pela definição prévia do rampante (eixo da abóbada) e localização das chaves, onde as nervuras principais convergem com idêntica curvatura. As nervuras secundárias limitam superfícies rebaixadas ou planas no topo da abóbada. Desenvolvendo hipóteses de traçado e de construção para diversos casos de estudos, concluise que a construção é possível, com poucos desenhos. Basta seguir uma certa ordem no posicionamento dos cimbres, utilizando o método de Rodrigo Gil de Hontañon.


ER  -