Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Almeida, Maria Antónia (2019). As mulheres no poder local em Portugal. In Ana Paula Pires, Fátima Mariano, Ivo Veiga (Ed.), Mulheres e Eleições. (pp. 195-236). Coimbra: Almedina.
Exportar Referência (IEEE)
M. A. Almeida,  "As mulheres no poder local em Portugal", in Mulheres e Eleições, Ana Paula Pires, Fátima Mariano, Ivo Veiga, Ed., Coimbra, Almedina, 2019, pp. 195-236
Exportar BibTeX
@incollection{almeida2019_1571449206033,
	author = "Almeida, Maria Antónia",
	title = "As mulheres no poder local em Portugal",
	chapter = "",
	booktitle = "Mulheres e Eleições",
	year = "2019",
	volume = "",
	series = "",
	edition = "1",
	pages = "195-195",
	publisher = "Almedina",
	address = "Coimbra"
}
Exportar RIS
TY  - CHAP
TI  - As mulheres no poder local em Portugal
T2  - Mulheres e Eleições
AU  - Almeida, Maria Antónia
PY  - 2019
SP  - 195-236
CY  - Coimbra
AB  - A revolução de 25 de abril de 1974 introduziu um processo de democratização que alterou a participação das mulheres na política portuguesa. Introduziu a igualdade de género a nível de direitos de cidadania, e também a nível político, tanto na qualidade de eleitores como de representantes eleitos. A partir de uma perspetiva histórica, este capítulo oferece uma resenha da legislação e uma avaliação sociológica da classe política portuguesa com o objetivo de abordar a questão do género. Centrando-se no poder local entre 1974 e 2017, analisa a participação ativa das mulheres nas primeiras comissões administrativas nomeadas em 1974 e que funcionaram até às primeiras eleições autárquicas que se realizaram a 12 de dezembro de 1976, a que se seguiram eleições regulares primeiro com intervalos de três anos e, a partir de 1989, de quatro. Apesar de o regime democrático já ter ultrapassado as quatro décadas de existência, a realidade é que ainda se verifica uma sub-representação das mulheres nos cargos de representação política em Portugal. Em todos os níveis de governo avaliados, e em conformidade com as tendências demográficas, as mulheres têm níveis mais altos de escolaridade e profissões com maior grau de especialização, especialmente nas áreas do ensino e da gestão. Os partidos mais à esquerda apresentam maior equidade de género. Discutem-se novas formas de participação política e de cidadania a nível local, como as candidaturas de grupos de cidadãos eleitores, e alguns incentivos a uma maior participação dos cidadãos na vida autárquica, nos quais a presença das mulheres tende a assumir relevância crescente. 
ER  -