Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Lima, M. J. (2019). Porque é que as práticas musicais locais são tão pouco visíveis nas estatísticas oficiais?. International Congress: Hidden Archives, Hidden Practices: Debates About Music-Making.
Exportar Referência (IEEE)
M. J. Lima,  "Porque é que as práticas musicais locais são tão pouco visíveis nas estatísticas oficiais?", in Int. Congr.: Hidden Archives, Hidden Practices: Debates About Music-Making, Aveiro, 2019
Exportar BibTeX
@misc{lima2019_1621304713913,
	author = "Lima, M. J.",
	title = "Porque é que as práticas musicais locais são tão pouco visíveis nas estatísticas oficiais?",
	year = "2019",
	howpublished = "Outro",
	url = "http://hahp2019.web.ua.pt/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Porque é que as práticas musicais locais são tão pouco visíveis nas estatísticas oficiais?
T2  - International Congress: Hidden Archives, Hidden Practices: Debates About Music-Making
AU  - Lima, M. J.
PY  - 2019
CY  - Aveiro
UR  - http://hahp2019.web.ua.pt/
AB  - A importância e o impacto das práticas musicais locais na sociedade portuguesa está expressa em diversos estudos científicos, sobretudo de carácter qualitativo. 
Como em qualquer outra área, também na cultura as estatísticas constituem fontes de informação relevantes permitindo, entre outros aspetos, o acompanhamento ao longo do tempo das atividades e dos seus impactos junto dos públicos e informar a gestão e a avaliação de medidas de políticas públicas.
Com um enfoque nas atuações públicas de coros, esta comunicação parte da confrontação de duas fontes de informação distintas (as estatísticas oficias do INE- Instituto Nacional de Estatística relativas a ‘recitais de coros’ em Portugal e os dados resultantes de um inquérito extensivo aos grupos corais amadores). Para um mesmo ano (2013) este confronto mostra desde logo uma enorme descoincidência: 559 recitais de coros nas estatísticas oficiais versus 6.832 atuações públicas reportadas pelos grupos corais inquiridos.
Através do recurso a microdados e à análise dos procedimentos e dos critérios subjacentes à recolha de informação estatística oficial pretende-se nesta comunicação discutir os conceitos em causa e elencar os motivos da discrepância entre estas duas fontes, contribuindo em simultâneo para uma melhor fiabilidade da informação estatística nacional.

ER  -