Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Raposo, P., Renata Gonçalves & Tamaso (2019). Apresentação. Performances, Imaterialidades e a Produção Cultural do Real. Sociedade e Cultura. 22 (2), 1-5
Exportar Referência (IEEE)
P. J. Raposo et al.,  "Apresentação. Performances, Imaterialidades e a Produção Cultural do Real", in Sociedade e Cultura, vol. 22, no. 2, pp. 1-5, 2019
Exportar BibTeX
@null{raposo2019_1618284190122,
	year = "2019",
	url = "https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/59951"
}
Exportar RIS
TY  - GEN
TI  - Apresentação. Performances, Imaterialidades e a Produção Cultural do Real
T2  - Sociedade e Cultura
VL  - 22
AU  - Raposo, P.
AU  - Renata Gonçalves
AU  - Tamaso
PY  - 2019
SP  - 1-5
SN  - 1415-8566
DO  - 10.5216/sec.v22i2.59951
UR  - https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/59951
AB  - Quando falamos de imaterialidades, destacamos a ação humana com suas múltiplas possibilidades de expressão, sua dimensão simbólica e criativa de produção do real. Quando falamos de performance, enfatizamos a ação humana como exercício de atuação. Tais eixos se complementam e, por vezes, se imbricam nas diferentes vertentes da tradição antropológica (ver Cavalcanti e Gonçalves, 2017), nos estudos brasileiros sobre processos de patrimonialização (ver Gonçalves e Tamaso, 2018), nos diálogos sobre antropologia e performance (ver Raposo, 2013) e também neste dossiê.
O dossiê reúne artigos que abordam temas relacionados a um conjunto diversificado e heterogêneo de formas expressivas da cultura, especialmente de modo a permitir pensar criticamente a produção cultural do real. Como viés mais presente nos artigos, destaca-se o aspecto patrimonial na produção do real. Ao abordarem a dimensão patrimonial de formas e expressões culturais nos contextos das políticas públicas de preservação cultural, os autores destacam o viés problematizado dos termos oficiais de classificação e de preservação em contraponto com a amplitude da construção de memórias coletivas e individuais, e também de narrativas e ações que não são alcançados por tais enquadramentos.
ER  -