Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Santo, M. & Ferreira, F. (2018). Planeamento de alta hospitalar: perspectivas e reflexões acerca dos protelamentos sociais em Portugal. Revista Alternativas. Cuadernos de Trabajo Social. 25, 33-50
Exportar Referência (IEEE)
M. I. Santo and F. Ferreira,  "Planeamento de alta hospitalar: perspectivas e reflexões acerca dos protelamentos sociais em Portugal", in Revista Alternativas. Cuadernos de Trabajo Social, no. 25, pp. 33-50, 2018
Exportar BibTeX
@article{santo2018_1634332450597,
	author = "Santo, M. and Ferreira, F.",
	title = "Planeamento de alta hospitalar: perspectivas e reflexões acerca dos protelamentos sociais em Portugal",
	journal = "Revista Alternativas. Cuadernos de Trabajo Social",
	year = "2018",
	volume = "",
	number = "25",
	doi = "10.14198/ALTERN2018.25.02",
	pages = "33-50",
	url = "https://alternativasts.ua.es/"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Planeamento de alta hospitalar: perspectivas e reflexões acerca dos protelamentos sociais em Portugal
T2  - Revista Alternativas. Cuadernos de Trabajo Social
IS  - 25
AU  - Santo, M.
AU  - Ferreira, F.
PY  - 2018
SP  - 33-50
SN  - 1133-0473
DO  - 10.14198/ALTERN2018.25.02
UR  - https://alternativasts.ua.es/
AB  - O objetivo deste artigo é compreender e analisar o fenómeno dos protelamentos sociais em Portugal e em particular do Centro Hospitalar Lisboa Central. Material e Métodos: Mediante uma análise descritiva e interpretativa pretende-se analisar analogamente os resultados ao nível nacional e em particular dos protelamentos sociais no período de janeiro a dezembro de 2016. Para a análise dos protelamentos do CHLC foi criada uma folha de registo específica para recolha dos seguintes parâmetros: o perfil do utente, as causas do protelamento e o destino no após alta. Resultados: Os dados demonstram que a realidade dos protelamentos sociais do CHLC em muito se assemelha ao quadro nacional dos restantes hospitais do país. No ano de 2016, foram registados 171 doentes com alta protelada por razões sociais, representando 4,2% dos doentes que originaram episódio social de internamento. No total, permaneceram nesta situação durante 4080 dias perfazendo uma média de 23,8 dias. Discussão: Embora a intervenção atempada, organizada e eficaz do assistente social seja determinante para a efetivação da alta hospitalar, existem um conjunto de causas internas e externas que poderão impedir que a alta clinica seja coincidente com a alta social e consequentemente evitar os protelamentos sociais.
ER  -