Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Mineiro, J. (2019). Classes sociais, trajetórias de vida e lugares de poder: uma abordagem etnográfica da representação política. Sociologia On Line. 20, 11-35
Exportar Referência (IEEE)
J. N. Mineiro,  "Classes sociais, trajetórias de vida e lugares de poder: uma abordagem etnográfica da representação política", in Sociologia On Line, no. 20, pp. 11-35, 2019
Exportar BibTeX
@article{mineiro2019_1660258974370,
	author = "Mineiro, J.",
	title = "Classes sociais, trajetórias de vida e lugares de poder: uma abordagem etnográfica da representação política",
	journal = "Sociologia On Line",
	year = "2019",
	volume = "",
	number = "20",
	doi = "10.30553/sociologiaonline.2019.20.1",
	pages = "11-35",
	url = "https://revista.aps.pt"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Classes sociais, trajetórias de vida e lugares de poder: uma abordagem etnográfica da representação política
T2  - Sociologia On Line
IS  - 20
AU  - Mineiro, J.
PY  - 2019
SP  - 11-35
SN  - 1647-3337
DO  - 10.30553/sociologiaonline.2019.20.1
UR  - https://revista.aps.pt
AB  - A Assembleia da República é um dos mais importantes órgãos de soberania do Estado portu- guês. Mas o que é que a caracteriza sociologicamente? Tendo por base uma etnografia do Parlamento, propõe-se três argumentos. O primeiro é o de que a representação política é socialmente circunscrita: tendencialmente dominada por homens, brancos, qualificados, com formações dominantes em direi- to, economia e gestão, oriundos do litoral e que se inserem em lógicas de polienvolvimento político. Depois, defende-se que a ação individual dos eleitos só pode ser compreendida a partir da sua inserção num mundo hierarquizado, que agencia determinadas pessoas em detrimento de outras. Finalmente, conclui-se que distintas pertenças de classe potenciam ou inibem o acesso, adaptação e permanência ao campo político. Campo, esse, onde a desigual distribuição do capital político, uma forma de capital compósito, simultaneamente cultural, social e simbólico, estabelece um conjunto de fronteiras entre quem está dentro e quem está fora, entre quem pode representar e quem deve ser representado.
ER  -