Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Loureiro. V., Medeiros, V.  & Guerreiro, M. R. (2019). A lógica socioespacial da favela: padrões da informalidade auto-organizada. Revista de Morfologia Urbana. 7 (1)
Exportar Referência (IEEE)
V. T. Loureiro et al.,  "A lógica socioespacial da favela: padrões da informalidade auto-organizada", in Revista de Morfologia Urbana, vol. 7, no. 1, 2019
Exportar BibTeX
@article{loureiro2019_1618574020097,
	author = "Loureiro. V. and Medeiros, V.  and Guerreiro, M. R.",
	title = "A lógica socioespacial da favela: padrões da informalidade auto-organizada",
	journal = "Revista de Morfologia Urbana",
	year = "2019",
	volume = "7",
	number = "1",
	url = "http://revistademorfologiaurbana.org/index.php/rmu/article/view/77"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - A lógica socioespacial da favela: padrões da informalidade auto-organizada
T2  - Revista de Morfologia Urbana
VL  - 7
IS  - 1
AU  - Loureiro. V.
AU  - Medeiros, V. 
AU  - Guerreiro, M. R.
PY  - 2019
SN  - 2182-7214
UR  - http://revistademorfologiaurbana.org/index.php/rmu/article/view/77
AB  - O presente trabalho tem como objetivo principal analisar a configuração da favela a partir de seus padrões socioespaciais, buscando entender o fenômeno em sua escala global. Adota-se para o estudo a Sintaxe Espacial enquanto abordagem teórica, metodológica e ferramental, permitindo a leitura do objeto em sua complexidade espacial. São comparados 120 assentamentos localizados ao redor do mundo, explorados segundo um conjunto de 26 variáveis configuracionais (entre qualitativas e quantitativas, geométricas e topológicas). Os resultados são, também, balizados por amostra de 45 cidades portuguesas de origem medieval (exemplares da cidade orgânica) e pela pesquisa de Medeiros (2013) para 44 cidades brasileiras (ilustrativas de estruturas urbanas contemporâneas). Busca-se a existência de um padrão espacial na favela e entender em que medida a favela reproduz padrões espaciais inerentes à cidade orgânica e historicamente consolidados. A pesquisa sustenta-se na hipótese de que a configuração da favela revela padrões espaciais provenientes das suas práticas de auto-organização, que são responsáveis por dinâmicas urbanas de sucesso. Os achados revelam que a favela se organiza dentro do sistema maior que a recebe, partilhando lógicas comuns e transversais a várias regiões do mundo e contextos culturais. Reconhecem-se, ainda, padrões comuns aos que estruturam cidades orgânicas revelando processos semelhantes de desenvolvimento.
ER  -