Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Almeida, Maria Antónia (2019). Despovoamento e novas paisagens rurais: que sustentabilidade para o território português?. CER2019, VIII Congresso de Estudos Rurais, VIII Encontro Rural RePort, sob o tema “Paisagens culturais. Heranças e desafios no território”.
Exportar Referência (IEEE)
M. A. Almeida,  "Despovoamento e novas paisagens rurais: que sustentabilidade para o território português?", in CER2019, VIII Congr.o de Estudos Rurais, VIII Encontro Rural RePort, sob o tema “Paisagens culturais. Heranças e desafios no território”, Ponte de Lima, 2019
Exportar BibTeX
@misc{almeida2019_1660908682312,
	author = "Almeida, Maria Antónia",
	title = "Despovoamento e novas paisagens rurais: que sustentabilidade para o território português?",
	year = "2019",
	howpublished = "Digital",
	url = "https://sper.pt/cer2019/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Despovoamento e novas paisagens rurais: que sustentabilidade para o território português?
T2  - CER2019, VIII Congresso de Estudos Rurais, VIII Encontro Rural RePort, sob o tema “Paisagens culturais. Heranças e desafios no território”
AU  - Almeida, Maria Antónia
PY  - 2019
CY  - Ponte de Lima
UR  - https://sper.pt/cer2019/
AB  - Fruto de um movimento demográfico em direção às cidades do litoral e ao estrangeiro iniciado com maior intensidade nos anos sessenta do século XX, o despovoamento rural tomou conta da paisagem do interior de Portugal, dando origem a fenómenos com consequências gravíssimas para a população que ainda resiste a viver longe dos grandes centros. O contexto da globalização e da Revolução Verde introduziu um novo tipo de agricultura em Portugal baseada na concentração fundiária em muito maior escala que o tradicional latifúndio, onde se aplica a monocultura intensiva ou superintensiva, especialmente de olival e frutos vermelhos, com utilização excessiva de mecanização e químicas, baseada em mão de obra precária, sazonal e, na maior parte dos casos, estrangeira com situação irregular no país, e que esgota a água de barragens que durante décadas alimentaram regadios perfeitamente sustentáveis. Em simultâneo, a deficiente gestão da floresta e o flagelo dos incêndios colocam em perigo a sobrevivência das populações que ainda resistem a viver nos meios rurais. Temos assim uma contradição entre o que é anunciado e vendido pelo poder local e pelas agências de turismo como um país de paisagens, ambiente, património e gastronomia de grande qualidade e atração, e uma realidade de estufas, plásticos, matas queimadas, ervas por cortar à beira das estradas e, no Alentejo, um montado tradicional substituído por quilómetros sem fim de olival em forma de arbusto.
Atualmente, com anos de seca repetidos, a gestão da água tornou-se um dos principais problemas do planeta, e as questões ambientais e da qualidade de vida das populações deveriam estar na linha da frente das preocupações políticas. Temos assim um dilema de sustentabilidade social e ambiental que urge debater e trazer à atenção do público até agora pouco interessado nestas questões.
Analisam-se neste projeto os programas políticos do poder local e central para o meio rural e comparam-se com uma realidade bastante divergente do previsto.

ER  -