Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Reis, M. (2020). Das pedras mortas às práticas vivas: do património material à relevância do património imaterial. CIDADES, Comunidades e Territórios. 41, 262-280
Exportar Referência (IEEE)
M. M. Reis,  "Das pedras mortas às práticas vivas: do património material à relevância do património imaterial", in CIDADES, Comunidades e Territórios, no. 41, pp. 262-280, 2020
Exportar BibTeX
@article{reis2020_1675325199325,
	author = "Reis, M.",
	title = "Das pedras mortas às práticas vivas: do património material à relevância do património imaterial",
	journal = "CIDADES, Comunidades e Territórios",
	year = "2020",
	volume = "",
	number = "41",
	doi = "10.15847/cct.21869",
	pages = "262-280",
	url = "https://revistas.rcaap.pt/cct/about"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Das pedras mortas às práticas vivas: do património material à relevância do património imaterial
T2  - CIDADES, Comunidades e Territórios
IS  - 41
AU  - Reis, M.
PY  - 2020
SP  - 262-280
SN  - 1645-0639
DO  - 10.15847/cct.21869
UR  - https://revistas.rcaap.pt/cct/about
AB  - Acompanhando perspectivas culturais europeias, em reformulação desde os anos 1960, que se aprofundaram sobretudo nos anos 1970/80, importantes transformações associadas ao conceito de património ocorreram na sociedade portuguesa do pós-25 de Abril. 
Herdeira de concepções monumentalistas do património e de políticas centralistas que concentraram no Estado a exclusividade da sua preservação, cabendo-lhe enunciar o património a proteger e consagrar para o usar como símbolo do poder e da identidade nacional, a sociedade portuguesa foi nas duas últimas décadas desafiada por aquelas concepções e práticas patrimoniais. Enquanto instituição cultural, não só o património deixou de confinar-se aos edifícios de carácter histórico-monumental, como também a sua definição passou a integrar perspectivas de outros protagonistas além do Estado. 
Expressão inventada para dramatizar o fenómeno social da explosão de sítios patrimoniais, considerado como a “obsessão moderna” pelo passado idealizado perante a acelerada perda de referências sólidas de um mundo globalizado em constante mutação (Hewison, 1987; Lowenthal, 2002- [1985]), o heritage boom trouxe também à sociedade portuguesa a discussão sobre novas categorias de bens culturais patrimonializáveis, símbolos e representações do passado longínquo ou mais recente que o avanço da modernidade coloca em risco de destruição ou esquecimento. Formas de arquitectura erudita ou vernacular, urbana e rural, edifícios públicos e privados, monumentais e não monumentais, velhos edifícios industriais, cidades ou conjuntos urbanos, paisagens e contextos ecológicos em risco, saberes, técnicas, actividades e culturas em regressão ou subalternizadas convertem-se tendencialmente em património.
O crescimento e a certificação da categoria “património imaterial” constitui-se como um poderoso meio de pressão política para a extensão dos bens patrimonializáveis. Pressão política, contudo, ambivalente, que tanto pode dotar as comunidades, nomeadamente rurais, de instrumentos para minimizar o processo de marginalização a que foram sendo sujeitas, quanto, pelo contrário, mascarar essa marginalização, ou, até, exponenciá-la, através da imposição de processos artificiais de salvaguarda de patrimónios que perderam os actores principais da sua sustentação. 
ER  -