Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Henriques, S. & Silva, J. P. (2018). O consumo de NSP em Portugal. In Atas do X Congresso Português de Sociologia: Na era da “Pós-verdade”? Esfera pública, cidadania e qualidade da democracia no Portugal contemporâneo. Covilhã: Associação Portuguesa de Sociologia.
Exportar Referência (IEEE)
S. A. Henriques and J. P. Silva,  "O consumo de NSP em Portugal", in Atas do X Congr.o Português de Sociologia: Na era da “Pós-verdade”? Esfera pública, cidadania e qualidade da democracia no Portugal contemporâneo, Covilhã, Associação Portuguesa de Sociologia, 2018
Exportar BibTeX
@inproceedings{henriques2018_1660499385747,
	author = "Henriques, S. and Silva, J. P.",
	title = "O consumo de NSP em Portugal",
	booktitle = "Atas do X Congresso Português de Sociologia: Na era da “Pós-verdade”? Esfera pública, cidadania e qualidade da democracia no Portugal contemporâneo",
	year = "2018",
	editor = "",
	volume = "",
	number = "",
	series = "",
	publisher = "Associação Portuguesa de Sociologia",
	address = "Covilhã",
	organization = "Associação Portuguesa de Sociologia",
	url = "https://aps.pt/pt/atas-x-congresso/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - O consumo de NSP em Portugal
T2  - Atas do X Congresso Português de Sociologia: Na era da “Pós-verdade”? Esfera pública, cidadania e qualidade da democracia no Portugal contemporâneo
AU  - Henriques, S.
AU  - Silva, J. P.
PY  - 2018
CY  - Covilhã
UR  - https://aps.pt/pt/atas-x-congresso/
AB  - Novas Substâncias Psicoativas (NSP) representam um grupo de substâncias que tem crescido rapidamente e cujos mercados têm beneficiado do desenvolvimento tecnológico. EMCDDA define-as como “substâncias naturais ou sintéticas que não são controladas pelos organismos oficiais e frequentemente visam mimetizar os efeitos das
substâncias controladas”. Na metodologia usou-se um questionário aplicado presencialmente em contextos recreativos e online, em sítios e fóruns com temática relacionada com substâncias psicoativas. Aqui caracterizamos os consumidores portugueses de NSP quanto às substâncias, padrões de uso e contextos de consumo. Os resultados demonstram que os alucinogénicos, os estimulantes e os canabinoides são os tipos de NSP mais consumidos. Os principais contextos de consumo são os contextos recreativos, a própria casa ou a de amigos. Concluindo destacam-se alguns aspetos relacionados com as particularidades destes consumos, especialmente no que se relaciona com o papel das tecnologias na relação com as substâncias, entre consumidores e com os mercados.
ER  -