Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Carvalho da Silva, V., Ávila, P., Correia, J. D. & undefined (2022). Entre a Resistência e a Transformação (digital) na Educação e Formação de Adultos: a visão de atores estratégicos no concelho de Cascais . First International Conference on Education and Training. Thinking Education in Transition Times.
Exportar Referência (IEEE)
V. P. Silva et al.,  "Entre a Resistência e a Transformação (digital) na Educação e Formação de Adultos: a visão de atores estratégicos no concelho de Cascais ", in 1st Int. Conf. on Education and Training. Thinking Education in Transition Times, Lisboa , 2022
Exportar BibTeX
@misc{silva2022_1716511074337,
	author = "Carvalho da Silva, V. and Ávila, P. and Correia, J. D. and undefined",
	title = "Entre a Resistência e a Transformação (digital) na Educação e Formação de Adultos: a visão de atores estratégicos no concelho de Cascais ",
	year = "2022",
	howpublished = "Digital",
	url = "https://www.icet2022.pt/ "
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Entre a Resistência e a Transformação (digital) na Educação e Formação de Adultos: a visão de atores estratégicos no concelho de Cascais 
T2  - First International Conference on Education and Training. Thinking Education in Transition Times
AU  - Carvalho da Silva, V.
AU  - Ávila, P.
AU  - Correia, J. D.
AU  - undefined
PY  - 2022
CY  - Lisboa 
UR  - https://www.icet2022.pt/ 
AB  - Apesar de não ser recente a discussão sobre o uso de tecnologias digitais nos processos de ensino e aprendizagem, a pandemia decorrente do novo SARS-CoV-2 confrontou-nos com a obrigatoriedade de se adotar um ensino remoto emergencial, tornando mais evidentes as fragilidades de um país que apresenta diversos estádios de desenvolvimento e em que se percebeu que a educação potenciada pelo digital é ainda uma experiência que apresenta pouca robustez e com obstáculos vários a ultrapassar. Enquanto alguns acreditam que as mudanças rápidas e pouco sustentadas resultarão numa experiência isolada e não conducente a inovação e desenvolvimento (Crato,2020), outros consideram que um novo modelo híbrido de educação surgirá com o desaparecimento da escola presencial pura (Figueiredo,2021), trazendo benefícios significativos para a educação e aprendizagem (Bates,2015), e outros ainda defendem uma reflexão sustentada sobre a utilização e os impactos das tecnologias digitais na educação e na aprendizagem (OECD,2021;Neil Selwyn,2012).  

Esta comunicação surge norteada por um projeto de investigação-ação em curso (“Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida no Concelho de Cascais” (2020/2021)) e pretende contribuir para o conhecimento desta transição digital a partir da perceção de atores estratégicos a operar no campo da educação e formação de adultos naquele concelho. Numa primeira fase, através de uma análise documental, procedeu-se à identificação dos atores e das diferentes ofertas de educação e formação dirigidas a adultos do concelho, visando o mapeamento da educação formal, não formal e de outras modalidades de aprendizagem ao longo da vida (ALV) destinadas a adultos em Cascais. Posteriormente, já durante a fase pandémica, foram realizadas 14 entrevistas semidirectivas (online) a 23 dos principais promotores de ALV, com o objetivo de apreender a sua perceção relativamente ao impacto da pandemia nos diferentes contextos educativos. 

Os resultados permitiram distinguir diferentes opiniões em torno dos regimes e-learning ou b-learning apesar de estes terem sido adotados por todos os atores de ALV entrevistados (atendendo às limitações impostas pela pandemia). Para os mais próximos da Escola, o regime online foi sentido como uma necessidade circunscrita ao contexto pandémico e aos desafios a ele inerentes, mas excluiu e empobreceu a aprendizagem, deixando de fora os menos escolarizados, os estrangeiros e os infoexcluídos. Todavia, para outros atores, a imposição do regime online foi sentida como uma oportunidade de adaptação ao contexto, de diversificação e expansão a outros públicos, e de reinvenção pedagógica relativamente à sua forma ‘tradicional’ de trabalhar, funcionando como um catalisador para a transformação digital. 

Evidenciaram-se, assim, conceções divergentes entre os diferentes atores, o que parece deixar sem resposta a viabilidade de uma transformação digital alargada e consistente. A amplitude do campo, as suas interseções múltiplas com outras áreas, a diversidade de modalidades [formais/não formais/outras], a variedade de perfis dos destinatários, a multiplicidade de instituições que nele atuam, colocam desafios evidentes quando se pretende refletir sobre o que existe, em que regime funciona e sobre o que pode ser melhorado na educação e na aprendizagem de adultos. Pretende-se, com esta comunicação, contribuir para pensar a educação de adultos no âmbito da transição/transformação digital. 

 
ER  -