Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Vacha, A. (2022). Gungunhanomania. O circo mediático da prisão e exílio do rei de Gaza em Portugal (1895-1908). 2º Congresso Internacional em Lisboa do GIEIPC-IP. O Liberalismo e a Imprensa Colonial.
Exportar Referência (IEEE)
A. Vacha,  "Gungunhanomania. O circo mediático da prisão e exílio do rei de Gaza em Portugal (1895-1908)", in 2º Congr.o Internacional em Lisboa do GIEIPC-IP. O Liberalismo e a Imprensa Colonial, Lisboa, 2022
Exportar BibTeX
@misc{vacha2022_1716846158739,
	author = "Vacha, A.",
	title = "Gungunhanomania. O circo mediático da prisão e exílio do rei de Gaza em Portugal (1895-1908)",
	year = "2022",
	howpublished = "Digital",
	url = "https://liberalismoimprensacolonial.wordpress.com/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Gungunhanomania. O circo mediático da prisão e exílio do rei de Gaza em Portugal (1895-1908)
T2  - 2º Congresso Internacional em Lisboa do GIEIPC-IP. O Liberalismo e a Imprensa Colonial
AU  - Vacha, A.
PY  - 2022
CY  - Lisboa
UR  - https://liberalismoimprensacolonial.wordpress.com/
AB  - Na sequência da Conferência de Berlim (1884-85) e do ultimato britânico (1890) o projeto da criação de “novos Brasis” em África parecia
ameaçado como nunca estivera. Sobretudo, o longínquo Moçambique, arena das tensões luso-britânicas, preocupava seriamente. Foi por
esta altura que os idealistas liberais acabaram por se unir aos partidários da linha dura para fazer face à questão colonial (Alexandre,
1993). Não obstante a crise económica, era necessário demonstrar a capacidade de domínio dos territórios ultramarinos, para isso
recorrendo a uma utilização da força diretamente inspirada nas contemporâneas teorias raciais. A estrondosa notícia da prisão do rei
de Gaza, Gungunhana (1895), assumiu por isso tons épicos. Redações jornalísticas, de orientações distintas, amplificaram o entusiasmo
patriótico que abalava o país. Tudo isto ocorreu num período de viragem empresarial do setor jornalístico e editorial, propício a
adicionar gravuras e a estrear a impressão fotográfica, sempre relevante nos projetos coloniais. Para a ideologia civilizadora da época,
recorrer às avançadas técnicas editoriais simbolizava em si o triunfo da modernidade sobre a selvajaria, encarnada no “Leão” e nas
rainhas de Gaza. Às narrativas oficiais, contrapunham-se os recém-lançados jornais republicanos radicais (O Paiz, O Berro),
denunciando o caso da humilhação pública dos régios prisioneiros e dos objetivos mais retrógrados da missão civilizadora. Outra imprensa republicana destacava o relato alternativo do Capitão da Marinha Soares de Andrea, que classificava Chaimite como farsa
e crime de guerra. Todavia, na maioria dos casos, os republicanos não colocavam propriamente em causa a desumanidade do
colonialismo, apenas o abuso do poder monárquico. A Gungunhanomania contagiou a opinião pública citadina do virar do século,
revelando a colisão entre o princípio liberal de que todos os homens nascem livres e iguais em direitos e os preconceitos raciais. Tal
contradição entre os princípios morais e as práticas do colonialismo continuará bem além da época abrangida por esta comunicação.
ER  -