Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Piedade, S. & Moleiro, C. (2012). Mutilação genital feminina em Portugal: atitudes, formação e experiências de profissionais de saúde. Transcultural. 4 (1), 57-75
Exportar Referência (IEEE)
S. Piedade and C. M. Moleiro,  "Mutilação genital feminina em Portugal: atitudes, formação e experiências de profissionais de saúde", in Transcultural, vol. 4, no. 1, pp. 57-75, 2012
Exportar BibTeX
@article{piedade2012_1659972945257,
	author = "Piedade, S. and Moleiro, C.",
	title = "Mutilação genital feminina em Portugal: atitudes, formação e experiências de profissionais de saúde",
	journal = "Transcultural",
	year = "2012",
	volume = "4",
	number = "1",
	pages = "57-75"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Mutilação genital feminina em Portugal: atitudes, formação e experiências de profissionais de saúde
T2  - Transcultural
VL  - 4
IS  - 1
AU  - Piedade, S.
AU  - Moleiro, C.
PY  - 2012
SP  - 57-75
SN  - 1645-9555
AB  - De acordo com a OMS (1997), aproximadamente 140 milhões de mulheres em todo o
mundo já foram submetidas a Mutilação Genital Feminina (MGF). Portugal foi
considerado um país de risco relativamente à prática de MGF, devido ao aumento do
número de imigrantes provenientes de países onde a prática é corrente e à inexistência
de uma lei específica que penalize este procedimento. Deste modo, foi realizado o
presente estudo, de carácter exploratório e quantitativo, no sentido de descrever as
experiências, as atitudes dos/as profissionais de saúde e a sua formação em MGF.
Participaram 52 médicos e enfermeiros da grande área de Lisboa, de ambos os sexos,
com uma média de 35 anos de idade e com cerca de 11 anos de experiência profissional,
através do preenchimento de um questionário. A análise dos dados confirmou a
existência de atitudes negativas dos/as profissionais de saúde relativamente à MGF,
bem como reforçou os resultados de estudos anteriores que indiciam a existência de
lacunas na formação para os cuidados prestados às vítimas de MGF.
ER  -