Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Mata, João Trocado da, Neves, J. S., Lopes, Miguel Ângelo & Nunes, A. (2023). Leitura por prazer: diferenças de género entre os alunos em Portugal. XII Congresso Português de Sociologia | Sociedades Polarizadas? Desafios para a Sociologia.
Exportar Referência (IEEE)
J. J. Mata et al.,  "Leitura por prazer: diferenças de género entre os alunos em Portugal", in XII Congr.o Português de Sociologia | Sociedades Polarizadas? Desafios para a Sociologia, Coimbra, 2023
Exportar BibTeX
@misc{mata2023_1709544503811,
	author = "Mata, João Trocado da and Neves, J. S. and Lopes, Miguel Ângelo and Nunes, A.",
	title = "Leitura por prazer: diferenças de género entre os alunos em Portugal",
	year = "2023",
	howpublished = "Outro",
	url = "https://xii-congresso-aps.eventqualia.net/pt/2023/inicio/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Leitura por prazer: diferenças de género entre os alunos em Portugal
T2  - XII Congresso Português de Sociologia | Sociedades Polarizadas? Desafios para a Sociologia
AU  - Mata, João Trocado da
AU  - Neves, J. S.
AU  - Lopes, Miguel Ângelo
AU  - Nunes, A.
PY  - 2023
CY  - Coimbra
UR  - https://xii-congresso-aps.eventqualia.net/pt/2023/inicio/
AB  - A presente comunicação visa contribuir para o aprofundamento do conhecimento sobre as diferenças de género nas práticas de leitura dos alunos dos ensinos básico e secundário. Os estudos sobre esta temática, incluindo os realizados no quadro do PISA, permitem identificar uma tendência pesada, pouco sensível aos indicadores utilizados: as raparigas gostam mais de ler, leem mais livros do que os rapazes e dedicam mais tempo à leitura por prazer (Clark e Rumbold, 2006; OCDE, 2010, 2019, 2021; Clark e Teravainen-Goff, 2020; Clark e Picton, 2020). A leitura é aqui entendida como atividade de lazer não diretamente relacionada com a escola e os seus planos curriculares, i.e, motivada pela escolha voluntária, associada à procura de satisfação ou prazer por parte do leitor (Clark and Rumbold, 2006; Cremin, 2007; Cremin, 2020; Kurcirkova e Cremin, 2020).
A investigação tem como principal propósito compreender a génese e construção da mencionada tendência, identificando o momento do percurso escolar em que as diferenças de género nas práticas de leitura se tornam visíveis e como evoluem ao longo dos ciclos e níveis de ensino integrados na escolaridade obrigatória. No quadro da análise dos resultados, procurar-se-á avançar com hipóteses explicativas que deverão interpelar o papel desempenhado pelas principais instâncias de socialização e de sociabilidade: a família, a escola, as redes de sociabilidade e as tecnoculturas juvenis (Octobre, 2018). Será também considerado o papel dos estereótipos de género na literatura infantil (Nunes, 2019).
Para a concretização do mencionado propósito, a investigação privilegia uma metodologia de natureza quantitativa, com recurso aos dados do estudo Práticas de Leitura dos Estudantes Portugueses (PLEP), que envolveu uma grande operação de inquérito por questionário na qual participaram mais de 20 mil alunos matriculados em estabelecimentos de ensino não superior de Portugal continental.
O inquérito por questionário foi adaptado ao ciclo de ensino e respondido em plataforma eletrónica. Para cada subuniverso, foi construída uma amostra representativa, aleatória, ponderada por região, tipo de habitat e natureza do estabelecimento de ensino. A aplicação do inquérito nas escolas, em sala de aula, contou com o apoio dos docentes destacados para supervisionar o processo.
O PLEP resulta de uma encomenda do Plano Nacional de Leitura 2027 ao CIES-Iscte, tendo sido apoiado pela Direção-Geral de Estatísticas da Educação e da Ciência (DGEEC), que construiu a amostra, a partir dos critérios de estratificação definidos pela equipa de investigação do CIES, e a Rede de Bibliotecas Escolares na aplicação da versão digital do inquérito por questionário da responsabilidade da equipa de investigação. O trabalho de terreno decorreu nos anos de 2019 e 2021.
ER  -