Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Rego, R., Lopes, J. B., Sadock, M. & Estevens, A. (2023). Espaços alternativos em Lisboa e a resistência à gentrificação. Etnográfica . 27 (1), 163-168
Exportar Referência (IEEE)
R. Rego et al.,  "Espaços alternativos em Lisboa e a resistência à gentrificação", in Etnográfica , vol. 27, no. 1, pp. 163-168, 2023
Exportar BibTeX
@article{rego2023_1716159334069,
	author = "Rego, R. and Lopes, J. B. and Sadock, M. and Estevens, A.",
	title = "Espaços alternativos em Lisboa e a resistência à gentrificação",
	journal = "Etnográfica ",
	year = "2023",
	volume = "27",
	number = "1",
	doi = "10.4000/etnografica.13219",
	pages = "163-168",
	url = "https://journals.openedition.org/etnografica/"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Espaços alternativos em Lisboa e a resistência à gentrificação
T2  - Etnográfica 
VL  - 27
IS  - 1
AU  - Rego, R.
AU  - Lopes, J. B.
AU  - Sadock, M.
AU  - Estevens, A.
PY  - 2023
SP  - 163-168
SN  - 0873-6561
DO  - 10.4000/etnografica.13219
UR  - https://journals.openedition.org/etnografica/
AB  - Entre o início da crise financeira (2007-08) e a crise pandémica (2020-), Lisboa estava no auge como destino turístico europeu da moda. Nesse período, numa singular concentração na capital portuguesa, associações e outros coletivos proliferaram como espaços alternativos, imbricando ação política e cultural. Neste dossiê, através de uma metodologia qualitativa de pendor etnográfico, mostramos que estes espaços configuram um modelo de desenvolvimento urbano próprio. Se, desde os anos 1970, os espaços alternativos têm desempenhado um papel de resistência à gentrificação em vários países ocidentais, o caso de Lisboa sobressai pelo contraste com um contexto nacional de fraca participação cívica.
____
Between the start of the financial crisis (2007-08) and the pandemic crisis (2020-), Lisbon was at its peak as a fashionable European tourist destination. During this period, in a singular concentration in the Portuguese capital, associations and other collectives proliferated as alternative spaces, overlapping political and cultural action. In this dossier, through a qualitative methodology of ethnographic nature, we show that these spaces form a model of urban development of their own. If, since the 1970s, alternative spaces have played a role in resisting gentrification in several western countries, the case of Lisbon stands out for its contrast with a national context of weak civic participation.
ER  -