Ciência-IUL    Autores    Andreia Pereira    Currículo
Andreia Pereira
(Ext. )
Resumo CV

Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) - Direção de Serviços de Controlo e Planeamento da Inspecção Tributária: Projeto piloto para desenvolvimento de um software de deteção de esquemas de fraude organizada.

Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) - Direção de Serviços de Gestão do Risco:
Construção de modelos de risco de incumprimento fiscal, nomeadamente nas áreas do alojamento local e reembolsos de IVA.
Colabora em todas as etapas dos projetos, desde o planeamento, extração, limpeza e tratamento dos dados provenientes de bases de dados Oracle, até ao desenvolvimento dos modelos de risco propriamente ditos.


Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN) - Departamento de Estudos e Planeamento:

Desenvolvimento de uma solução de Bussiness Intelligence que visa a agregação e tratamento de dados relativos a episódios de urgências hospitalares, internamentos (GDH), lista de espera para consulta externa e lista de espera cirúrgica de todos os hospitais da Região Norte.

Desenvolvimento da nova ferramenta de Business Intelligence da ARSN, SIARS (Sistema de Informação da ARS), para suporte das atividades dos Cuidados de Saúde Primários. 
Esta solução de BI utiliza, a nível das bases de dados, tecnologia ORACLE e tecnologia Microstrategy na área de reporting. Colaborou em todas as fases do projeto desde a conceção do desenho dimensional e definição do ETL.
Procedeu a um exaustivo trabalho de controlo de qualidade, validando a informação constante do SIARS versus a extraída do sistema operacional, avaliando a congruência dos dados obtidos.
Em 2009, esta ferramenta foi alargada a utilizadores dos Agrupamentos dos Centros de Saúde, ficando responsável por todo o desenvolvimento da área de reporting para este perfil, o que corresponde a mais de 60 utilizadores e mais de uma centena de relatórios e dashboards.
Ministrou anulamente formação no aplicativo SIARS aos novos utilizadores (Directores Executivos, Coordenadores dos Conselhos Clínicos e Unidades de Apoio à Gestão).
O exito deste projecto conduziu à sua implementação a nível nacional.

Estudos de morbilidade hospitalar, trabalhando a informação contida nas bases de dados dos Grupos de Diagnóstico Homogéneo dos hospitais públicos da região norte, para auxílio à decisão do planeamento estratégico, designadamente:
- Apoio aos interlocutores regionais dos programas de saúde
- Implementação das Vias Verdes Coronária e AVC
- Rede de referenciação de oncologia
- Identificação do perfil assistencial do Centro de Reabilitação do Norte
-Incapacidades associadas à diabetes
-Evolução da prática da cirurgia ambulatória por procedimentos cirúrgicos.
- Apoio à Comissão para a Redução da Taxa de Cesarianas da ARS Norte.

Implementação dos rastreios oncológicos do cancro do útero, da mama e do cólon:
-Caracterização da população alvo dos programas de rastreio
-Definição do grupo etário de eleição
-Elaboração de modelos previsionais para estimar custos e necessidades de saúde
-Comparação do rastreio organizado com o rastreio oportunista. A análise dos custos, cobertura e características do rastreio oportunista, implicam pesquisas complexas em bases de dados de grande dimensão correspondentes ao histórico de exames realizados.
Neste âmbito, desenvolveu, no ano 2007, o trabalho “Cancro do colo do útero, que rastreio?”, em cooperação com a Universidade do Minho.
Este estudo teve como objetivo apoiar os elementos da Coordenação Regional dos Programas de Rastreio Oncológico da Região Norte na tomada de decisões relativas aos aspetos mais controversos dos rastreios ao cancro do colo do útero: limite de idade das mulheres rastreadas, intervalo entre exames e método utilizado. Foi desenvolvido um modelo matemático, com o intuito de simular os impactos económicos e de saúde, das combinações das várias alternativas de rastreio e foi feita uma análise custo-benefício das soluções encontradas.
Os dados que serviram de base à análise foram obtidos do Registo Oncológico Regional do Norte (RORENO) de 1999, e os dados relativos à população da região norte foram fornecidos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Para construção do modelo foram estimadas funções de probabilidade e utilizadas técnicas de otimização multi-objectivo.
Em Outubro de 2008 este trabalho foi apresentado e publicado pelo XVI Congresso Anual da Sociedade Portuguesa de Estatística

Colabora com a Equipa de Coordenação do Programa de Rastreios Oncológicos no desenvolvimento do estudo “Avaliação custo – efetividade de diferentes estratégias de rastreio do cancro colorrectal durante 10 anos”. 
O objetivo deste estudo foi comparar quatro estratégias de rastreio diferentes, recorrendo à construção de um modelo de simulação. Neste modelo, uma hipotética população de 100.000 habitantes com idades compreendidas entre os 50 e 74 anos, assintomática, sem fatores de risco conhecidos, seria convidada a participar num programa de rastreio de cancro do cólon e reto com recurso ao teste anual de PSOF (guaiaco), PSOF (imunoquímico), realização de colonoscopia de 5 em 5 anos ou realização de colonoscopia de 10 em 10 anos. 

Projeto da Comissão Nacional para o Desenvolvimento da Cirurgia de Ambulatório, estando envolvida nas seguintes fases:
- Construção, recolha, compilação e análise dos inquéritos para o levantamento nacional sobre a prática da cirurgia de ambulatório nos Hospitais do SNS, que incluiu 61 Instituições Hospitalares.
- Análise da evolução da cirurgia de ambulatório, recorrendo a duas fontes distintas: informação disponibilizada pela ACSS e informação constante do SIGLIC, fornecida pela Unidade Central de Gestão de Inscritos para Cirurgia.
- Realização de testes estatísticos com o intuito de verificar a existência de relação entre maiores taxas de cirurgia de ambulatório e menores tempo de espera para realização das cirurgias. Para isso, analisaram-se, para os 22 hospitais da região norte, as taxas de ambulatório por hospital e as respetivas medianas dos tempos de espera.

Colabora com o grupo de trabalho regional para implementação da Urgência Pediátrica Integrada do Porto (UPIP). Neste âmbito, participou na elaboração, aplicação e tratamento estatístico de um questionário para avaliação da satisfação do atendimento de crianças com doença aguda e idade inferior a 13 anos.
No estudo mencionado foi utilizada a ferramenta Teleform, para construção e tratamento estatístico de inquéritos utilizando captação automática e modelos de construção de índices de satisfação.

Colaboradora no projecto - “ISARE – Indicadores de Saúde da Regiões Europeias”, financiado pela Comunidade Europeia (integrado no Health Monitoring Programme) e proposto pela FNORS (Fédération nationale des observatoires régionaux de la santé ) http://www.isare.org.