PTDC/IIM-GES/2686/2014
Divulgação de informação de instituições financeiras em tempos de crise
Descrição

A recente crise financeira teve um impacto dramático a nível económico, político e social, em todo o mundo. As instituições financeiras estiveram no epicentro desta tempestade, tendo sido acusadas por investidores, credores e reguladores de despoletar a crise. Ao mesmo tempo as instituições financeiras sofreram efeitos drásticos ao nível da sua performance financeira e reputação pública. Embora a crise seja um fenómeno mundial, o seu impacto foi particularmente evidente em Portugal, onde o sector bancário foi gravemente afetado. 

Uma vez que as crises são fenómenos recurrentes, é importante para os investidores, credores, reguladores, e para a sociedade em geral perceber as mudanças que as crises geram no sector financeiro e os mecanismos usados para recuperar das mesmas. O funcionamento eficaz dos mercados financeiros é essencial para o desenvolvimento económico dos páises. Esteprojeto estuda os efeitos da crise de 2008 na divulgação de informação das instituições financeiras em diversos países. 

Dois aspetos importantes a levar em consideração no estudo das instituições financeiras são a complexidade dos seus negócios e a existência de regulamentação especifíca. Adicionalmente, existe um crescente nível de divulgação de informação por parte das entidades, devido ao aumento de regulação e ao maior escrutínio público. Quais as alterações na divulgação de informação das instituições financeiras geradas pela crise? Como é que investidores e outros agentes económicos avaliam essa informação? Como é que a mesma influencia os mercados financeiros? E a reputação da banca? A resposta a estas questões é de interesse para os agentes económicos e os responsáveis pelas políticas económicas dos países. 

A divulgação de informação, interpretada como a escolha da quantidade e qualidade da informação divulgada, pode ser quantitativa e de orientação financeira ou qualitativa e orientada para stakeholders não financeiros (vertente de responsabilidade social corporativa). Neste projecto analisamos os dois tipos de divulgação de informação feita por bancos de todo o mundo no período 2005 a 2015. Este período permite estudar os efeitos da a crise finnaceira de 2008 e bem como os efeitos de alterações na regulamentação do sector bancário na Europa (Directiva da União Europeia relativa aos requisitos de capital, 2014).

De modo a identificar os níveis de divulgação dos bancos o primeiro estudo cria um índice de divulgação que identifica separadamente as divulgações obrigatórias e as voluntárias, abranjendo todos os tipos de riscos identificados na Directiva da União Europeia relativa aos requisitos de capital: risco de crédito, de mercado, operacional, de taxa de juro e de capital próprio. Estudaremos também a associação deste índice com diferentes variáveis de interesse para o mercado de capitais (assimetria de informação, rendimentos, e medidas de risco de mercado). 

O segundo estudo do projeto analisa as divulgações sobre o risco de crédito próprio. O conteúdo informativo das alterações no risco de credito próprio tem sido um dos aspectos mais controversos do projecto da mensuração ao justo valor levado a cabo pelos organismos de normalização contabilística internacionais. Recentemente foi recomendado re-avaliar se a inclusão do risco próprio da entidade na mensuração de responsabilidades financeiras fornece aos investidores informação importante para a tomada de decisão, mas evidência empírica é ainda reduzida. A importância do tópico para o mercado de capitais leva-nos a estudar a relevância das divulgações sobre risco de crédito próprio na percepção de risco por parte dos investidores. O terceiro estudo analisa as divulgações relacionadas com a responsabilidade social corporativa, que têm vindo a tornar-se parte essencial dos relatórios anuais. No âmbito do nosso projeto é importante perceber se e como as instituições financeiras que divulgam mais informação sobre as suas atividades de responsabilidade social corporativa criam valor e se nas suas decisões de atribuição de crédito têm em conta o nível de responsabilidade social das empresas suas clientes. Caso o façam, a questão ques e coloca é: quais são as consequências económicas para os bancos e para os clientes dessas decisões? 

O último estudo investiga se, e de que forma, a divulgação de atividades de responsabilidade social ajuda os bancos a reparar a sua reputação depois da crise financeira, de modo a reconstruirem a relação com os seus clientes, trabalhadores e investidores. Comunicar informação de modo positivo e fidedigno é central para os bancos na reconstrução dessa confiança. Nesta tarefa analisamos se as instituições financeiras aumentam as divulgações de responsabilidade social corporativa e tornam o tom das suas comunicações mais positivo, de modo a melhorar a sua imagem pública (como defendido pela teoria da sinalização), e a criar uma impressão positiva que compense a deterioração do desempenho financeiro verificado durante o período da crise.

Parceiros Internos
Centro de Investigação Grupo de Investigação Papel no Projeto Data de Início Data de Fim
BRU-Iscte -- Parceiro 2018-01-15 2018-01-15
Parceiros Externos
Instituição País Papel no Projeto Data de Início Data de Fim
Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa (FE/UNL) Portugal Líder 2018-01-15 2018-01-15
Equipa de Projeto
Nome Afiliação Papel no Projeto Data de Início Data de Fim
Helena Oliveira Isidro Professora Catedrática (DC); Investigadora Integrada (BRU-Iscte); Investigadora 2018-01-15 2018-01-15
Financiamentos do Projeto

Não foram encontrados registos.

Outputs (Publicações)

Não foram encontrados registos.

Outputs (Outros)

Não foram encontrados registos.

Ficheiros do projeto

Não foram encontrados registos.

Divulgação de informação de instituições financeiras em tempos de crise
2018-01-15
2018-01-15