Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Martins, Susana da Cruz, Nunes, Nuno, Mauritti, R & Costa, António Firmino da (2014). O que nos dizem as desigualdades educacionais sobre as outras desigualdades? Uma perspetiva comparada à escala europeia. In Benedita Portugal e Melo; Ana Matias Diogo; Manuela Ferreira;  João Teixeira Lopes; Elias Evangelista Gomes  (Ed.), Entre Crise e Euforia: práticas e políticas educativas no Brasil e em Portugal. (pp. 845-868). Porto: FLUP.
Exportar Referência (IEEE)
S. C. Martins et al.,  "O que nos dizem as desigualdades educacionais sobre as outras desigualdades? Uma perspetiva comparada à escala europeia", in Entre Crise e Euforia: práticas e políticas educativas no Brasil e em Portugal, Benedita Portugal e Melo; Ana Matias Diogo; Manuela Ferreira;  João Teixeira Lopes; Elias Evangelista Gomes , Ed., Porto, FLUP, 2014, pp. 845-868
Exportar BibTeX
@incollection{martins2014_1574065803255,
	author = "Martins, Susana da Cruz and Nunes, Nuno and Mauritti, R and Costa, António Firmino da",
	title = "O que nos dizem as desigualdades educacionais sobre as outras desigualdades? Uma perspetiva comparada à escala europeia",
	booktitle = "Entre Crise e Euforia: práticas e políticas educativas no Brasil e em Portugal",
	year = "2014",
	volume = "",
	series = "",
	edition = "1",
	pages = "845-845",
	publisher = "FLUP",
	address = "Porto",
	url = " http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id022id1450&sum=sim"
}
Exportar RIS
TY  - CHAP
TI  - O que nos dizem as desigualdades educacionais sobre as outras desigualdades? Uma perspetiva comparada à escala europeia
T2  - Entre Crise e Euforia: práticas e políticas educativas no Brasil e em Portugal
AU  - Martins, Susana da Cruz
AU  - Nunes, Nuno
AU  - Mauritti, R
AU  - Costa, António Firmino da
PY  - 2014
SP  - 845-868
CY  - Porto
UR  -  http://ler.letras.up.pt/site/default.aspx?qry=id022id1450&sum=sim
AB  - A análise das desigualdades educacionais tem sido um tema marcado por várias abordagens já consagradas (ver entre outros, Bernstein, 1975; Boudon, 1981; Bourdieu e  Passeron, 1964; Bowles, S., e H. Gintis, 1976; Coleman e outros, 1966; Duru-Bellat, 2002; Enguita, 2001; Lahire, 1995; Marks, 2005; Thélot, e Vallet, 2000). Neste trabalho partimos dessas problematizações, relacionando vários tipos de desigualdades, desenvolvendo várias possibilidades comparativas em diferentes escalas e com novos indicadores. Assim pretende-se dar um contributo para a análise das desigualdades educacionais na Europa e suas implicações no reconhecimento e explicação de outras desigualdades (na qual a equipa proponente tem já desenvolvido alguns trabalhos, nomeadamente Costa, 2012; Martins, 2012; Mauritti e Nunes, 2013). Tal perspetiva permite, ainda, tirar ilações sobre o potencial de mudança social, de justiça, de inclusão e eficácia dos sistemas educacionais. Este trabalho pretende dar conta, em primeiro lugar, da magnitude das desigualdades educacionais na Europa, no seu conjunto e na comparação entre países. Neste seguimento, procura-se confrontar a Europa com outras regiões do mundo, nomeadamente com a América Latina, numa perspetiva diacrónica relativo ao último meio século. No que respeita à focalização da análise no interior da Europa, identificam-se as zonas de maior desigualdade educacional de forma relacionada com outras caraterísticas da estrutura socioeducacional; e com outras formas de desigualdade, nomeadamente as de rendimento. Esta abordagem será potenciada por via de uma leitura que compare vários segmentos, tendo em conta variações, em cada país, sexo, classe social e gerações de europeus, permitindo complexificar uma leitura conjugada e correlacionada de desigualdades. Serão articuladas várias referências empíricas, que vão desde as produzidas no âmbito do European Social Survey, às disponibilizadas pelo Eurostat, OCDE e, ainda, dados secundários, trabalhados por equipas de investigação, que permitem comparações multi-escalares e com uma diacronia alargada.
ER  -