Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Alarcão, V., Machado, F. L. & Giami, A. (2016). A construção da sexologia como profissão em Portugal: composição de um grupo profissional e tipos de sexólogos. Ciência e Saúde Coletiva. 21 (2), 629-640
Exportar Referência (IEEE)
V. S. Alarcão et al.,  "A construção da sexologia como profissão em Portugal: composição de um grupo profissional e tipos de sexólogos", in Ciência e Saúde Coletiva, vol. 21, no. 2, pp. 629-640, 2016
Exportar BibTeX
@article{alarcão2016_1721701161589,
	author = "Alarcão, V. and Machado, F. L. and Giami, A.",
	title = "A construção da sexologia como profissão em Portugal: composição de um grupo profissional e tipos de sexólogos",
	journal = "Ciência e Saúde Coletiva",
	year = "2016",
	volume = "21",
	number = "2",
	doi = "10.1590/1413-81232015212.11112015",
	pages = "629-640",
	url = "http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000200629&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - A construção da sexologia como profissão em Portugal: composição de um grupo profissional e tipos de sexólogos
T2  - Ciência e Saúde Coletiva
VL  - 21
IS  - 2
AU  - Alarcão, V.
AU  - Machado, F. L.
AU  - Giami, A.
PY  - 2016
SP  - 629-640
SN  - 1413-8123
DO  - 10.1590/1413-81232015212.11112015
UR  - http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000200629&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt
AB  - Este estudo visa discutir a emergência da profissão de sexólogo em Portugal, comparando a sua evolução com as tendências internacionais. Procura igualmente compreender as autoidentificações profissionais dos sexólogos e os sentidos que eles lhes atribuem. A informação empírica apresentada resulta de um inquérito por questionário a 91 sexólogos identificados através das principais associações profissionais e de 44 entrevistas aprofundadas junto de peritos selecionados através de uma amostragem intencional para assegurar a diversidade dos sexólogos portugueses. Os resultados do inquérito indicam que em média o sexólogo português tem 43 anos, é maioritariamente do sexo feminino, não médico, e tem formação em sexologia. Considerando as habilitações, os percursos profissionais e as atividades desenvolvidas no campo, e os discursos dos entrevistados relativos aos seus ideais de profissão, obtivemos uma tipologia com cinco categorias: sexólogos por vocação, sexólogos pela prática clínica, sexólogos por certificação, sexólogos-cientistas sociais e sexólogos por mediatização. A pesquisa identificou uma interessante diversidade de práticas e conceções profissionais no campo da sexologia portuguesa. Ser sexólogo parece estar mais ligado aos ideais sobre a profissão do que ao tempo dedicado à mesma.
ER  -