Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Braga, R. & Marques, J. S. (2017). Trabalho, globalização e contramovimentos: dinâmicas da ação coletiva do precariado artístico no Brasil e em Portugal. Sociologia. 19 (45), 52-80
Exportar Referência (IEEE)
R. Braga and J. S. Marques,  "Trabalho, globalização e contramovimentos: dinâmicas da ação coletiva do precariado artístico no Brasil e em Portugal", in Sociologia, vol. 19, no. 45, pp. 52-80, 2017
Exportar BibTeX
@article{braga2017_1553655451740,
	author = "Braga, R. and Marques, J. S.",
	title = "Trabalho, globalização e contramovimentos: dinâmicas da ação coletiva do precariado artístico no Brasil e em Portugal",
	journal = "Sociologia",
	year = "2017",
	volume = "19",
	number = "45",
	doi = "10.1590/15174522-019004503",
	pages = "52-80",
	url = "http://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/index"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Trabalho, globalização e contramovimentos: dinâmicas da ação coletiva do precariado artístico no Brasil e em Portugal
T2  - Sociologia
VL  - 19
IS  - 45
AU  - Braga, R.
AU  - Marques, J. S.
PY  - 2017
SP  - 52-80
SN  - 1517-4522
DO  - 10.1590/15174522-019004503
UR  - http://www.seer.ufrgs.br/index.php/sociologias/index
AB  - O artigo pretende construir uma comparação entre a formação do precariado pós-fordista no Brasil e em Portugal, a partir da análise dos padrões de proletarização do trabalho artístico nos dois países e sua relação com diferentes trajetórias de açãocoletiva, assim como a articulação com os novos movimentos de trabalhadores precarizados. Assim, destacaremos os dilemas enfrentados pelo movimento dos trabalhadores precários em transnacionalizar suas formas de ação coletiva. No caso brasileiro, analisamosespecificamente a mobilização por políticas públicas para a cultura que, distanciada da atuação sindical, desembocou na conquista do programa de Fomento ao Teatro; no caso português, analisamos a ação coletiva - que se consolida com a criação do sindicato-movimento Cena contra a perda de direitos trabalhistas num contexto marcado pela adoção de políticas de austeridade em escala europeia. Os limites da transnacionalização das reivindicações desses grupos de trabalhadores precários serão problematizados à luz da ideia muito presente nos novos estudos “neopolanyianos” do trabalho segundo a qual o processo de mobilização do precariado no Sul global anunciaria o advento de um contramovimento “embrionário” cuja tendência seria florescer conforme a mercantilizaçãoneoliberal ampliasse e aprofundasse as ameaças à classe trabalhadora em escala mundial. 
ER  -