Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Almeida, Maria Antónia (2018). O papel do poder local no combate ao despovoamento em Portugal. XVI Colóquio Ibérico de Geografia – Península Ibérica no Mundo: problemas e desafios para uma intervenção ativa da Geografia.
Exportar Referência (IEEE)
M. A. Almeida,  "O papel do poder local no combate ao despovoamento em Portugal", in XVI Colóquio Ibérico de Geografia – Península Ibérica no Mundo: problemas e desafios para uma intervenção ativa da Geografia, 2018
Exportar BibTeX
@misc{almeida2018_1638100022805,
	author = "Almeida, Maria Antónia",
	title = "O papel do poder local no combate ao despovoamento em Portugal",
	year = "2018",
	url = "http://www.igot.ulisboa.pt/coloquioiberico2018/"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - O papel do poder local no combate ao despovoamento em Portugal
T2  - XVI Colóquio Ibérico de Geografia – Península Ibérica no Mundo: problemas e desafios para uma intervenção ativa da Geografia
AU  - Almeida, Maria Antónia
PY  - 2018
UR  - http://www.igot.ulisboa.pt/coloquioiberico2018/
AB  - A crise económica da última década obrigou a medidas extremas que produziram consequências na população e na atividade económica do país, que foram agravadas nos territórios classificados como rurais ou de interior, face à evidente emigração, perda e envelhecimento da população e maiores taxas de desemprego. Em março de 2015 164 municípios foram declarados “de baixa densidade” e “privilegiados nos fundos da EU”. A partir de uma base de dados com os programas e mensagens políticas dos 308 presidentes de câmaras eleitos em 2013 e em 2017 analisam-se as estratégias locais para alcançar um nível razoável de desenvolvimento sustentável, combater o despovoamento rural e as desigualdades territoriais e atrair pessoas e empresas para os seus concelhos. Avaliam-se assim as estratégias do poder local para combater estes condicionalismos e comparam-se os programas dos autarcas com a atuação do governo do Partido Socialista, que colocou em prática no início de 2017 o Programa Nacional para a Coesão Territorial e que após os incêndios desse ano promoveu uma série de novas políticas de prevenção de fogos e gestão das florestas. Defende-se a responsabilização dos municípios na gestão dos seus territórios face aos problemas da gestão da floresta, especialmente quando a questão dos fogos florestais atingiu proporções em 2017 que obrigaram, finalmente, a uma intervenção política forte no terreno, assim como a gestão da água, que também deveria ser prioritária. O que se observou no verão de 2017 e no primeiro trimestre de 2018, quando a maioria das principais barragens do país atingiram níveis mínimos, exige uma análise rigorosa do problema da água em Portugal e uma forte intervenção pública, de iniciativa local, mas com uma componente de aplicação de medidas de políticas públicas a nível nacional. Especialmente porque o uso que se tem feito da água tem sido claramente abusivo. Apresenta-se o exemplo da Barragem do Maranhão e os problemas do olival intensivo, que em nada contribui para a economia local, e defende-se que as decisões e políticas públicas têm de ser apoiadas na ciência e nos especialistas, tanto nas áreas da agronomia e da engenharia florestal, como nas ciências sociais que também devem ser chamadas para dar o seu contributo para as soluções de combate ao despovoamento, à atração de população qualificada aos territórios desprotegidos e à gestão dos mesmos, assim como à criação de melhores condições de vida aos resistentes que ainda continuam a viver no meio rural. 
ER  -