Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Malet Calvo, D. (2018). O significado da ‘Experiencia Erasmus’: adaptações, conflitos e sociabilidades dos estudantes Erasmus em Lisboa. In Renata de Sá Gonçalves, Lígia Ferro (Ed.), Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil. (pp. 197-216). Rio de Janeiro: Mauad Editora.
Exportar Referência (IEEE)
D. M. Calvo,  "O significado da ‘Experiencia Erasmus’: adaptações, conflitos e sociabilidades dos estudantes Erasmus em Lisboa", in Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil, Renata de Sá Gonçalves, Lígia Ferro, Ed., Rio de Janeiro, Mauad Editora, 2018, pp. 197-216
Exportar BibTeX
@incollection{calvo2018_1611585702835,
	author = "Malet Calvo, D.",
	title = "O significado da ‘Experiencia Erasmus’: adaptações, conflitos e sociabilidades dos estudantes Erasmus em Lisboa",
	chapter = "",
	booktitle = "Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil",
	year = "2018",
	volume = "",
	series = "",
	edition = "",
	pages = "197-197",
	publisher = "Mauad Editora",
	address = "Rio de Janeiro"
}
Exportar RIS
TY  - CHAP
TI  - O significado da ‘Experiencia Erasmus’: adaptações, conflitos e sociabilidades dos estudantes Erasmus em Lisboa
T2  - Cidades em mudança: processos participativos em Portugal e no Brasil
AU  - Malet Calvo, D.
PY  - 2018
SP  - 197-216
CY  - Rio de Janeiro
AB  - Os estudantes Erasmus são reconhecidos como atores sociais incontorná-veis, não só pelo projeto político da União Europeia, como pela sua condição de seres urbanos, uma classe social distinguida de produtores e consumidores de cultura urbana, responsáveis pela mobilização de setores econômicos muito diferentes. Os estudantes Erasmus participam simultaneamente na economia do  conhecimento  (enquanto  estudantes),  na  economia  da  viagem  (enquan-to  estrangeiros)  e  na  economia  do  lazer  (enquanto  jovens).  Os  seus  estilos  de vida são fulcrais para compreender inúmeras dinâmicas de transformação urbana na Europa, desde o chamado “turismo acadêmico” (RODRÍGUEZ et al., 2012) até a studentification (SMITH, 2005), como veremos depois. Ainda, como  membros  do  mundo  universitário  (potenciais  produtores  e  consumi-dores  de  cultura)  numa  Europa  centrada  na  “Economia  do  Conhecimento”,  estão no centro do sistema de produção que alguns autores chamaram capita-lismo cognitivo-cultural (SCOTT, 2014; WYLY, 2015)
ER  -