Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Carmo, R. M. & Matias, A. R. (2019). As dimensões existenciais da precariedade: jovens trabalhadores e os seus modos de vida. Revista Crítica de Ciências Sociais. 118, 53-78
Exportar Referência (IEEE)
R. M. Carmo and A. R. Matias,  "As dimensões existenciais da precariedade: jovens trabalhadores e os seus modos de vida", in Revista Crítica de Ciências Sociais, no. 118, pp. 53-78, 2019
Exportar BibTeX
@article{carmo2019_1607116589760,
	author = "Carmo, R. M. and Matias, A. R.",
	title = "As dimensões existenciais da precariedade: jovens trabalhadores e os seus modos de vida",
	journal = "Revista Crítica de Ciências Sociais",
	year = "2019",
	volume = "",
	number = "118",
	doi = "10.4000/rccs.8502",
	pages = "53-78",
	url = "https://journals.openedition.org/rccs/8502"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - As dimensões existenciais da precariedade: jovens trabalhadores e os seus modos de vida
T2  - Revista Crítica de Ciências Sociais
IS  - 118
AU  - Carmo, R. M.
AU  - Matias, A. R.
PY  - 2019
SP  - 53-78
SN  - 0254-1106
DO  - 10.4000/rccs.8502
UR  - https://journals.openedition.org/rccs/8502
AB  - Os jovens são considerados um dos grupos mais afetado pela crise, tornando -se assim mais vulneráveis a condições precárias de trabalho. Este artigo procura compreender os  impactos  sociais  e  individuais  da  precariedade  no  seu  modo  de  vida,  a  partir  da  análise de um conjunto variado de dimensões objetivas e subjetivas, que refletem as perceções dos indivíduos sobre os seus percursos no presente e no futuro. Realizaram--se entrevistas semidiretivas a 24 jovens portugueses licenciados. Uma das principais conclusões indica que o futuro tende a ser encarado com grande imprevisibilidade e incerteza, o que afeta não só a sua condição económica, como também o seu modo de vida. Na verdade, para a maioria dos entrevistados a experiência profissional atual incorpora  alguns  aspetos  considerados  alienantes,  que  restringem  a  capacidade  de  autonomia e de agência por parte do sujeito.
ER  -