Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Amorim, V. I. (2018). Aleatoriedade e incerteza na comunidade piscatória de Setúbal. In Roque, A. C., Paula, D. P., Dias, J. A., Gonçalves, L. A. A., Fonseca, L. C., Rodrigues, M. A. C., Vasconcelos Júnior, R. E..P. and Pereira, S. D. (Ed.), Mares e litorais: Perspetivas transdisciplinares. (pp. 147-157). Rio de Janeiro, Brasil: FGEL-UERJ.
Exportar Referência (IEEE)
V. I. Amorim,  "Aleatoriedade e incerteza na comunidade piscatória de Setúbal", in Mares e litorais: Perspetivas transdisciplinares, Roque, A. C., Paula, D. P., Dias, J. A., Gonçalves, L. A. A., Fonseca, L. C., Rodrigues, M. A. C., Vasconcelos Júnior, R. E..P. and Pereira, S. D., Ed., Rio de Janeiro, Brasil, FGEL-UERJ, 2018, vol. 7, pp. 147-157
Exportar BibTeX
@inproceedings{amorim2018_1721699485885,
	author = "Amorim, V. I.",
	title = "Aleatoriedade e incerteza na comunidade piscatória de Setúbal",
	booktitle = "Mares e litorais: Perspetivas transdisciplinares",
	year = "2018",
	editor = "Roque, A. C., Paula, D. P., Dias, J. A., Gonçalves, L. A. A., Fonseca, L. C., Rodrigues, M. A. C., Vasconcelos Júnior, R. E..P. and Pereira, S. D.",
	volume = "7",
	number = "",
	series = "",
	pages = "147-157",
	publisher = "FGEL-UERJ",
	address = "Rio de Janeiro, Brasil",
	organization = "Rede BRASPOR",
	url = "https://redebraspor.org/liv2018.html"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Aleatoriedade e incerteza na comunidade piscatória de Setúbal
T2  - Mares e litorais: Perspetivas transdisciplinares
VL  - 7
AU  - Amorim, V. I.
PY  - 2018
SP  - 147-157
CY  - Rio de Janeiro, Brasil
UR  - https://redebraspor.org/liv2018.html
AB  - A aleatoriedade e a imprevisibilidade têm sido enfatizadas como elementos estruturantes das comunidades piscatórias. A pesca depende da exploração de um recurso natural móvel e de propriedade comum, dificultando o valor do trabalho e da produção, porque o rendimento dos pescadores depende das capturas e da divisão dos lucros, produzindo consequentemente uma precariedade permanente a quem depende da atividade para subsistir. Através de dados etnográficos da comunidade piscatória de Setúbal pretende-se compreender como se estabelece um quadro de incerteza endémica, integrando-o em processos mais amplos que se manifestam a nível local. Como a aleatoriedade e a instabilidade influenciam as práticas quotidianas? De que forma os pescadores e suas famílias lidam com essa incerteza e como a tentam minimizar? Mais do que fornecer respostas, pretende-se desenhar questões a partir dos discursos e práticas quotidianas para compreender como as pessoas constituem vida e projetam futuros em circunstâncias de incerteza.
ER  -