Ciência-IUL    Comunicações    Descrição Detalhada da Comunicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Maia, M. (2020). Serofobia e discriminação de pessoas que vivem com VIH no século XXI em Portugal.  Epistemologías del Sur y salud: ecología de experiencias, conocimientos y cuidados, Seminário internacional .
Exportar Referência (IEEE)
M. A. Maia,  "Serofobia e discriminação de pessoas que vivem com VIH no século XXI em Portugal", in  Epistemologías del Sur y salud: ecología de experiencias, conocimientos y cuidados, Seminário internacional , Coimbra, 2020
Exportar BibTeX
@misc{maia2020_1660229893890,
	author = "Maia, M.",
	title = "Serofobia e discriminação de pessoas que vivem com VIH no século XXI em Portugal",
	year = "2020",
	howpublished = "Digital"
}
Exportar RIS
TY  - CPAPER
TI  - Serofobia e discriminação de pessoas que vivem com VIH no século XXI em Portugal
T2  -  Epistemologías del Sur y salud: ecología de experiencias, conocimientos y cuidados, Seminário internacional 
AU  - Maia, M.
PY  - 2020
CY  - Coimbra
AB  - As pessoas que vivem com VIH são alvo de estigma e discriminação, ainda hoje, apesar das imensas conquistas da medicina em matéria de tratamentos e apesar de se encontrar já descrita cientificamente a intransmissibilidade do vírus quando a pessoa está em tratamento e tem uma carga viral indetetável.
O medo do “contágio” e a necessidade de ancorar o mal no outro mobilizam a discriminação e levam os indivíduos a uma negação do risco para si. Ora, o estigma e a discriminação são fatores de perda de saúde e representam um obstáculo à prevenção.
 Considerando que o estigma e a discriminação continuam a estar fortemente presentes na União Europeia, a Comissão Europeia considerou importante prosseguir com ações envolvendo os governos nacionais e as organizações não-governamentais que trabalham na defesa dos direitos humanos. Seguiram-se um bom número de recomendações e legislações. Ora, importa avaliar em que medida as disposições políticas vão além da mera discursividade, são consequentes e traduzem-se, de facto, em instrumentos e formas de intervenção eficazes a nível da prevenção, da deteção precoce e dos apoios às populações mais vulneráveis, que se debatem frequentemente com constrangimentos severos, desde logo aqueles que remetem para o estigma e a discriminação. 

ER  -