Ciência-IUL    Publicações    Descrição Detalhada da Publicação    Exportar

Exportar Publicação

A publicação pode ser exportada nos seguintes formatos: referência da APA (American Psychological Association), referência do IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers), BibTeX e RIS.

Exportar Referência (APA)
Martins, A. S. G. D. S. & Moleiro, C. (2012). Crenças e comportamentos de saúde na gravidez de mulheres de descendência africana em Portugal. Transcultural. 4 (1), 29-46
Exportar Referência (IEEE)
A. S. Martins and C. M. Moleiro,  "Crenças e comportamentos de saúde na gravidez de mulheres de descendência africana em Portugal", in Transcultural, vol. 4, no. 1, pp. 29-46, 2012
Exportar BibTeX
@article{martins2012_1660500074936,
	author = "Martins, A. S. G. D. S. and Moleiro, C.",
	title = "Crenças e comportamentos de saúde na gravidez de mulheres de descendência africana em Portugal",
	journal = "Transcultural",
	year = "2012",
	volume = "4",
	number = "1",
	pages = "29-46"
}
Exportar RIS
TY  - JOUR
TI  - Crenças e comportamentos de saúde na gravidez de mulheres de descendência africana em Portugal
T2  - Transcultural
VL  - 4
IS  - 1
AU  - Martins, A. S. G. D. S.
AU  - Moleiro, C.
PY  - 2012
SP  - 29-46
SN  - 1645-9555
AB  - Os Modelos de Psicologia de Saúde salientam o papel das crenças de saúde e o seu impacto na forma como os indivíduos experienciam o seu bem-estar e o seu estado de saúde. As crenças de saúde podem contribuir para a adopção de comportamentos de protecção de saúde, assim como para a redução de comportamentos de risco - ou para o inverso. Vários factores influem na elaboração destas crenças, entre eles a cultura. O objectivo do presente estudo consistiu em conhecer quais as crenças de saúde presentes no período da gravidez e pós-parto de mulheres de descendência Africana em Portugal (maioritariamente Cabo-verdianas) e de que modo estas influenciam os seus comportamentos de saúde. Participaram catorze mulheres e três peritos culturais neste estudo exploratório, de carácter qualitativo. As metodologias utilizadas envolveram grupos focais e entrevistas individuais semi-estruturadas. Verificou-se a existência de crenças culturais específicas nesta população que influenciam os comportamentos de saúde no período da gravidez e pós-parto. Foi ainda possível identificar necessidades culturais reportadas pelas mulheres e peritos (e.g. uso de intérpretes e informação em língua específica). É sugerida a necessidade de promoção de serviços de saúde mais sensíveis à diversidade cultural na população em Portugal.
ER  -