Capítulo de livro
(Micro)empreendedorismo imigrante: uma política pública inovadora
Ana Alexandrino da Silva (Alexandrino da Silva, A.);
Título Livro
Inovação, emprego e políticas públicas
Ano
2018
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
--
Abstract/Resumo
A preocupação pública com opções de política que promovam a empregabilidade, facilitem a integração ou agilizem os processos de inserção laboral está na génese do fundo social europeu. Esse longo historial corrobora a noção de que um ajustamento eficaz do mercado de trabalho exige políticas capazes de enfrentar os principais constrangimentos sem deixar de responder aos desafios. A crise económica e de emprego tiveram consequências negativas nos movimentos migratórios e no contexto demográfico e introduziram um nível de complexidade acrescido ao contexto social e laboral português. Um dos desafios da política pública consiste em tentar contrariar os movimentos de saída causados em grande medida pela falta de perspetivas de emprego. Reside, sobretudo, em criar condições que fixem os residentes e atraiam novos envolve soluções inovadoras, adaptadas à diversidade destes grupos e às dificuldades que enfrentam. Algumas medidas de política podem desempenhar um papel determinante a nível micro sem que essa influência seja imediatamente visível nas estatísticas do emprego. Tais instrumentos permitem corrigir assimetrias entre a oferta e a procura de trabalho, potenciando a criação de novos empregos ajustados às competências da procura. O microempreendedorismo, em particular, propicia dinâmicas empresariais que fomentam a criação de novos projetos a montante ou a jusante da cadeia de valor. Mais do que uma política ativa de emprego e mecanismo de correção de enviesamentos laborais é um instrumento inovador no âmbito da política pública pelo efeito de alavanca e sinergias que pode produzir com recursos escassos. O apoio ao microempreendedorismo pode, por esta razão, ser um mecanismo eficaz quando aplicado a certos nichos de mercado e para grupos específicos. O potencial do (micro)empreendedorismo imigrante reside no facto de poder ser analisado segundo diferentes perspetivas de política, contribuindo para: i) Repensar as políticas de criação do próprio emprego e de criação de empresas à luz desta experiência; ii) Atrair a população imigrante empreendedora; iii) Fomentar novas dinâmicas empresariais a nível local; iv) Potenciar a atratividade de Portugal no contexto das alterações empresariais decorrentes da nova ordem mundial e europeia.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
microempreendedorismo,empreendedorismo imigrante,política pública,fundos comunitários
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
UID/SOC/04521/2013 Fundação para a Ciência e a Tecnologia