Publicação em atas de evento científico
Parceria Escola-Família: as diferentes perceções dos diferentes atores
Eva Gonçalves (Eva Gonçalves);
40 Anos de Democracias: progressos, contradições e prospetivas
Ano
2014
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Abstract/Resumo
A parceria escola-família abrange vários tipos de atividades parentais, que vários autores tentaram esquematizar. As nove categorias de Feuerstein (2002), os seis níveis de Epstein (2009), as cinco categorias básicas de Dimock, O’Donaghue e Robb (1996), as quatro variáveis traduzidas em doze indicadores de Sui-Chu e Willms (1996) e a simples distinção entre pais ativos e pais passivos (Marcon, 1999), são exemplos. Em todos os estudos, podemos distinguir as atividades das famílias consoante o seu modo de atuação, individual ou coletivo (Davies, Marques e Silva, 1997; Silva, 2007). Os recentes processos de descentralização e de autonomia das escolas provocaram a discussão acerca do que é a escola pública e da necessidade de uma aproximação dessa instituição à sociedade civil (associações de pais, famílias, empresas, autarquias), onde a escola assume novas responsabilidades nomeadamente a de criar uma relação mais próxima com a comunidade envolvente, partilhando objetivos e estratégias educativas, e as famílias são chamadas a se envolver mais na escola, incluindo através do assumir papéis formais nos órgãos escolares. A análise aos discursos dos atores escolares revelou que a confusão relativa ao conceito de “parceria escola-família” não é apenas dos investigadores. Os próprios professores e encarregados de educação também definem esse conceito de forma diferenciada, parecendo estar longe de pensar a “parceria” como uma partilha de responsabilidades e de trabalho.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
percepções; encarregados de educação; diretores escola; diretores turma
Registos Associados

Esta publicação está associada ao registo seguinte: