Autor de livro
Potencial Económico da Língua Portuguesa
Luís Reto (Reto, L.); José Esperança (Esperança, J.); M. A. Gulamhussen (M. A. Gulamhussen); Fernando Luís Machado (Machado, FL); António Firmino da Costa (Costa, AF);
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

N.º de citações: 141

(Última verificação: 2024-02-29 07:06)

Ver o registo no Google Scholar

Abstract/Resumo
A língua é um ativo intangível que beneficia de economias de rede. Quanto maior o número de utilizadores, maior o benefício que cada um extrai da sua partilha. Enquanto língua supercentral, na classificação de Calvet, o português é património comum de cerca de 250 milhões de pessoas, cujo potencial está longe de ser otimizado. O seu valor resulta do benefício para os utilizadores (capital humano), da diminuição dos custos de transação nas trocas comerciais e de organização nas empresas transnacionais e da oportunidade de desenvolvimento económico, social e cultural das comunidades lusófonas. Este livro analisa o potencial da língua portuguesa na ótica das trocas de Portugal com o exterior e das expetativas dos estudantes de português no estrangeiro. Os 250 milhões de falantes do português representam cerca de 3,7% da população mundial e detêm aproximadamente 4% da riqueza total. Os 8 países de língua oficial portuguesa ocupam uma superfície de 10,8 milhões de quilómetros quadrados, cerca de 7,25% da superfície continental da Terra. A língua portuguesa é a quarta mais falada no mundo, como língua materna, e regista uma das taxas de crescimento mais elevadas, na Internet, nas redes sociais, na produção de artigos e revistas científicas e na aprendizagem como segunda língua.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave