Periódico generalista
São Tomé e Príncipe não tem Marinha de Guerra, mas prepara a sua Marinha Mercante…
Eugénio Costa Almeida (Almeida, E. C.);
Título Revista/Livro/Outro
Vivências Press News
Ano
2020
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
São Tome e Príncipe (STP) pode não ter uma Marinha de Guerra, mas parece que tem, ou prevê ter – por isso já tem oficiais formados – uma Marinha Mercante. De acordo com um texto do site brasileiro “defesanet”, no início de Fevereiro, na embaixada brasileira, foram apresentados, quase 25 anos depois, os primeiros oficiais formados na Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM), apoiados pelo Núcleo da Missão Naval da Marinha do Brasil, pela Embaixada do Brasil e em parceria com o Instituto Marítimo e Portuário (IMAP). O último contingente santomense formado para a Marinha Mercante ocorreu em 1993, na antiga URSS (União Soviética) e na República de Cuba. Mas, – há sempre um mas… – para que os novos oficiais santomenses possam receber os diplomas e exercerem as suas funções, é necessária a realização do Estágio prático embarcado (PREST). E esse estágio deverá acontecer, segundo o defesanet, com parcerias “junto da Guarda Costeira” – a “Marinha de Guerra” santomense –, com a “Marinha Portuguesa e demais países amigos e parceiros de São Tomé para viabilizar a realização do PREST”. (...)
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Marinha de Guerra,Marinha Mercante,São Tomé e Príncipe,Brasil,Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante (EFOMM),Guarda Costeira,Forças Armadas da República Democrática de São Tomé e Príncipe (FASTP)
  • Outras Ciências Sociais - Ciências Sociais