Artigo em revista científica
A Disputa do Cometa: Matemática e Filosofia na controvérsia entre Manuel Bocarro Francês e Mendo Pacheco de Brito acerca do cometa de 1618
Carlos Ziller Camenietzki (Camenietzki, C. Z.); Luís Miguel Carolino (Carolino, L. M.); Bruno Martins Boto Leite (Leite, B. M. B.);
Título Revista
Revista Brasileira de História da Matemática
Ano
2004
Língua
Português
País
Brasil
Mais Informação
Abstract/Resumo
É reconhecida há muito a importância que as observações de cometas tiveram no debate cosmológico na época do Renascimento e inícios da Idade Moderna. De uma forma geral, defende-se que o recurso crescente a técnicas matemáticas na observação astronômica de cometas –em particular, a técnica da paralaxe – pôs à disposição novos dados que foram decisivos para a defesa de modelos cosmológicos alternativos inspirados no resurgimento renascentista das filosofias neoplatonica e estóica, contribuindo, deste modo, para a recusa da cosmovisão aristotélica. Contudo, estudos de caso têm demonstrado a capacidade do Aristotelismo renascentista em conviver de forma convincente com as “novas” evidências astronômicas e seus argumentos matemáticos. Neste artigo pretende-se demonstrar o importante papel que os diferentes sistemas filosóficos tiveram no debate matemático sobre cometas. Ele centra-se na controvérsia sobre o cometa de 1618 em Portugal e, em particular, na polêmica que opôs, de forma impetuosa, os matemáticos portugueses Manuel Bocarro Francês e Mendo Pacheco de Brito. Apesar de ambos estarem de acordo sobre a importância da matemática no estudo da cosmologia, Bocarro Francês e Pacheco de Brito defendiam posições bem diferentes no que toca à cosmologia, demonstrando, desta forma, a diversidade e a heterogeneidade que caracterizava o meio intelectual português.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
História da Astronomia,Cosmologia,Portugal – século XVII