Artigo em revista científica
A estratégia de cibersegurança da União Europeia: catastrofista, realista e/ou otimista?
Sofia Martins Geraldes (Martins Geraldes, S.);
Título Revista
Nação e Defesa
Ano
2019
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
O ciberespaço tem sido considerado uma matéria de segurança central, apesar do seu estatuto inicial de simples problema técnico. Na era da conectividade digital, a existência de redes significa que qualquer dispositivo está susceptível à intrusão externa não autorizada e a dependência tecnológica dos Estados e das sociedades cria uma percepção de vulnerabilidade. Este contexto tem justificado a securitização do ciberespaço, com implicações legais, éticas e políticas. Neste cenário, assiste-se à introdução da cibersegurança no topo das agendas políticas dos Estados e das organizações internacionais, como a União Europeia, mas também a uma crescente preocupação com a excessiva regulamentação deste domínio. Deste modo, este artigo, mediante análise de discurso e segundo o modelo proposto por Mark Lacy e Daniel Prince (2018), analisa a evolução da posição discursiva da UE em relação ao ciberespaço enquanto matéria de segurança, para compreender se a estratégia de cibersegurança europeia é catastrofista, realista e/ou otimista.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Cibersegurança,Catastro‑ fista,Realista,Otimista,Estratégia de cibersegurança da União Europeia
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
SFRH/BD/140797/2018 Fundação para a Ciência e a Tecnologia