Artigo em revista científica Q2
A Grande Guerra em Angola: a expedição de Alves Roçadas e de Pereira D’Eça na estratégia intervencionista
Luís Barroso (Barroso, L.);
Título Revista
Ler História
Ano
2018
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

N.º de citações: 1

(Última verificação: 2022-08-11 17:05)

Ver o registo na Scopus


: 0.9
Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
O objetivo deste artigo é analisar a relação entre a dimensão política e a dimensão militar das expedições de Alves Roçadas (1914) e de Pereira D’Eça (1915) a Angola, no âmbito da participação de Portugal na Grande Guerra. A maioria da bibliografia existente analisa essencialmente a dimensão militar daquelas duas expedições, deixando de parte a dimensão política. Depois de analisarmos as fontes documentais relativas às mais importantes personagens da ala “intervencionista” no governo português, consideramos que aquelas expedições foram utilizadas para servir objetivos políticos para forçar a Grã-Bretanha a aceitar a participação de Portugal na frente europeia. Enviar forças de efetivo considerável para Angola, logo no início de setembro de 1914, aumentava a probabilidade de um confronto militar com os alemães e demonstrava à Grã-Bretanha que Portugal era capaz de mobilizar milhares de homens com o apoio incondicional da população. Desta forma, a ala “intervencionista” mascarava o seu estratagema que tinha como finalidade criar o máximo de incidentes para forçar a beligerância na Grande Guerra.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Grande Guerra,Angola,Alves Roçadas,Pereira D’Eça
  • História e Arqueologia - Humanidades
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
UID/CPO/03122/2013 Fundação para a Ciência e a Tecnologia