Artigo em revista científica
A identidade do doente com hepatite C crónica
Marta Maia (Maia, M.);
Título Revista
Arquivos de Medicina
Ano
2006
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
Cerca de180 milhões de pessoas são portadoras do VHC (vírus da hepatite C) no mundo, o que representa cerca de 3% da população mundial. Em França, onde foi realizado o trabalho de investigação, em 2005, cerca de 600.000 pessoas estavam infectadas pelo VHC, ou seja, quase 1% da população (valor, contudo, inferior ao verificado em Portugal). O tratamento da hepatite C com biterapia e interferão pegilado apresentava cerca de 50% de possibilidade de cura. Mas com numerosos efeitos indesejáveis: depressão, febre, dores musculares, dores de cabeça, cansaço, náuseas, perda de peso, alopecia, perturbações do gosto, perturbações do sono, perturbações psicológicas, perturbações oculares, pele seca, acne, neutropenia, disfunções da tiróide, etc. A maioria dos pacientes afirmam que a hepatite perturba a vida quotidiana. Em primeiro lugar, a doença provoca frequentemente um cansaço crónico. Em segundo lugar, obriga a um acompanhamento médico regular. Por último, para os doentes sob tratamento, os efeitos indesejáveis podem ser particularmente pesados. Neste contexto, os doentes procuram grupos de suporte em grupos na Internet, que se revelam ser um apoio importante.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Doente,Hepatite C,Tratamento,Cura,Identidade,Internet,Vivência
  • Antropologia - Ciências Sociais