Capítulo de livro
A identidade híbrida das farmácias comunitárias: contraste entre as perspetivas de proprietários-gestores e de profissionais
Francisco Nunes (Nunes, F. G.); Janet E. Anderson (Anderson, J.); Luís Martins (Martins, L.); Siri Wiig (Wiig, S.);
Título Livro
Saúde societal: percursos de investigação do Iscte
Ano (publicação definitiva)
2021
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
Propósito – Este artigo tem como propósito analisar o em que medida a propriedade de farmácias comunitárias influencia a perceção da identidade organizacional e a relação entre esta e o desempenho organizacional. Desenho/metodologia/abordagem – Foram obtidos dados de uma amostra de farmacêuticos a trabalhar em farmácias comunitárias portuguesas. A amostra inclui 1369 farmacêuticos, dos quais 51% eram proprietários-gestores. O questionário utilizado inclui medidas das identidades normativa (orientada para a saúde pública) e utilitária (orientada para o negócio), da força da identidade (clara e unificadora), do desempenho substantivo e simbólico das farmácias comunitárias. Resultados – Ambos os grupos de farmacêuticos (empregados e proprietários-gestores) descrevem a identidade das suas farmácias de forma mais normativa do que utilitária. Comparados com os farmacêuticos empregados, os farmacêuticos proprietários percecionam níveis mais baixos de identidade utilitária, o mesmo nível de identidade normativa e níveis mais elevados de força da identidade organizacional. As identidades normativa e utilitária, bem assim como a força da identidade das farmácias predizem o desempenho substantivo. A relação entre a identidade utilitária e o desempenho substantivo é significativa no grupo dos farmacêuticos proprietários mas não no grupo dos farmacêuticos empregados. Limitações– As principais limitações do estudo referem-se ao uso de medidas percetivas e o foco no nível individual. Implicações práticas – Com vista a melhorar o desempenho das farmácias comunitárias, os farmacêuticos que as gerem devem desenvolver agendas que lhes permitam reconciliar tensões que resultam da coexistência de identidades duais nas farmácias, incluindo normativa e utilitária, e as que advêm dos seus valores individuais, nomeadamente os seu motivos de benefício próprio e de beneficio da comunidade. Originalidade/valor – Este estudo assenta nas teorias institucional, da identidade organizacional e da stewardship com vista a compreender como os farmacêuticos, proprietários e empregados, vêm a identidades das farmácias comunitárias e como a identidade destas organizações se relaciona com o seu desempenho.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Profissionais,Desempenho organizacional,Stewardship; ins titucionalismo,Identidade organizacional híbrida