Artigo em revista científica Q3
A invenção de uma tradição: as fontes históricas no debate entre afrocentristas e seus críticos
Luca Bussotti (Bussotti, L.); Laura António Nhaueleque (Nhaueleque, L. A.);
Título Revista
História
Ano
2018
Língua
Português
País
Brasil
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

N.º de citações: 2

(Última verificação: 2022-08-06 21:07)

Ver o registo na Scopus


: 5.0
Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Títulos Alternativos

(Inglês) The invention of a tradition: the role of historical sources in the debate between Afrocentrists and their critics

Abstract/Resumo
Este artigo visa analisar o uso das fontes históricas no debate entre a corrente filosófica do Afrocentrismo e as críticas que esta recebeu. O Afrocentrismo, principalmente na versão elaborada por Asante, propõe a revisão radical e a superação do paradigma eurocêntrico. O alicerce desta proposta é a ideia de que o pensamento filosófico e científico surgiu em África, nomeadamente na civilização egípcia, considerada “negra”, de acordo com a lição de Anta Diop. As provas de matriz histórica utilizadas pelos afrocentristas foram largamente contestadas. O artigo pretende evidenciar a forte ligação entre elaboração filosófica, aparato ideológico e “invenção” duma tradição histórica por parte do Afrocentrismo, cujo uso instrumental das fontes entra em choque com as regras básicas da ciência histórica. Daqui, as duras críticas recebidas, devido à sua escassa fiabilidade epistemológica e metodológica.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Afrocentrismo,Eurocentrismo,Fontes históricas,Egito,Asante
  • Sociologia - Ciências Sociais
  • História e Arqueologia - Humanidades
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
UID/CPO/03122/2013 Fundação para a Ciência e a Tecnologia