Artigo em revista científica Q2
A montra jornalística na estação pandémica: análise das capas do Correio da Manhã, Jornal de Notícias e Público
Livino Neto (Neto, L.); Gustavo Cardoso (Cardoso, G.); Décio Telo (Telo, D.);
Título Revista
Observatorio (OBS*)
Ano (publicação definitiva)
2021
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

N.º de citações: 0

(Última verificação: 2024-04-19 13:10)

Ver o registo na Scopus

Google Scholar

N.º de citações: 1

(Última verificação: 2024-04-21 23:27)

Ver o registo no Google Scholar

Títulos Alternativos

(Inglês) Newspaper covers as display windows in a pandemic season: analysis of three Portuguese daily newspapers

Abstract/Resumo
Neste artigo, que é uma síntese de um estudo realizado no MediaLab CIES-Iscte , parte-se da ideia de pandemia enquanto evento mediático e da mediatização como aspeto estruturante da narrativa jornalística, para propor três modelos de montras jornalísticas – de saldos, de produto e de diversidade em que se considera as características e critérios de noticiabilidade adotados por cada um dos veículos analisados. A análise englobou três dimensões: a distribuição do conteúdo no espaço físico e hierárquico do jornal (manchete, centro e periferia); as marcas, que podem ser palavras destacadas nos títulos e chamadas; e os recursos imagéticos utilizados. A pesquisa teve em conta 90 capas dos jornais Correio da Manhã, Jornal de Notícias e Público publicadas durante os primeiros 30 dias de cobertura da pandemia em Portugal, divididos em três ciclos: o primeiro, entre a divulgação dos primeiros casos identificados de COVID-19 em Portugal (3 de março de 2020) e a declaração do estado de alerta em Portugal (12 de março); o segundo, desde o encerramento das escolas (13 de março) à véspera da notícia do decreto presidencial que autoriza ao governo decretar estado de emergência (18 de março); o terceiro, da repercussão do decreto presidencial (19 de março) até à véspera da aprovação do decreto de emergência na Assembleia da República (1 de abril). O estudo conclui que as narrativas nas capas dos jornais são diferentes entre si e afetadas pelos modelos de montras, os quais refletem a dicotomia entre os interesses jornalísticos e os interesses comerciais, questionando se o público-modelo que norteia a construção das diferentes montras é apenas um, entre vários possíveis, “retrato-robô”, para fazer «vender» jornais, ou um claro identificador sociocultural dos públicos da imprensa escrita portuguesa?
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Coronavírus,Evento mediático,Mediatização,Narrativa jornalística,Noticiabilidade,Montra jornalística
  • Ciências da Comunicação - Ciências Sociais
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
UIDB/03126/2020 Fundação para a Ciência e a Tecnologia